1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma vai ao Congresso entregar mensagem do governo

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 15h 26

Nesta terça-feira, durante cerimônia de abertura dos trabalhos legislativos, presidente vai defender o ajuste fiscal, a reforma da Previdência, a volta da CPMF e a guerra ao zika virus

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff irá nesta terça-feira, 2, à tarde ao Congresso para entregar a mensagem do governo na cerimônia de abertura dos trabalhos legislativos. Dois meses após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceitar o pedido de impeachment, Dilma estará ao lado de seu algoz, defendendo o ajuste fiscal, a reforma da Previdência, a volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e a guerra ao zika virus.

A presidente Dilma Rousseff 

A presidente Dilma Rousseff 

Tudo foi planejado pelo Palácio do Planalto para Dilma recuperar o protagonismo político, mostrar que não se intimida com Cunha e defender propostas para enfrentar a crise. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), comandará a sessão do Congresso. Renan esteve nesta segunda-feira no Palácio do Planalto e acertou com Dilma como será conduzida a sessão.

Esta é a segunda vez que Dilma irá pessoalmente ao Congresso para entregar a mensagem presidencial, desde que assumiu o Palácio do Planalto, em 2011, quando leu o texto pela primeira vez. Nos anos seguintes, o ritual foi cumprido pelo ministro da Casa Civil e Dilma já exerceu essa tarefa em 2010, quando ocupou esse cargo, no governo Lula.

Abalado por turbulências políticas e econômicas, o governo prepara várias ações para mostrar que não está parado e sair da agenda negativa. Nesta segunda-feira, por exemplo, Dilma gravou um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, para pedir intensa mobilização da sociedade no combate ao mosquito Aedes aegypti.

Cunha afirmou que não atacará a presidente durante a sessão do Congresso. “Eu não seria deselegante de emitir qualquer palavra que possa ser considerada agressão ou ofensa”, comentou o presidente da Câmara. “Não faz  parte da minha natureza. Sou uma pessoa educada.”

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse que Dilma vai usar a mensagem ao Congresso para pedir apoio aos parlamentares. “Evidentemente, ela vai falar da situação econômica e das iniciativas que gostaria de ver aceleradas. A CPMF, por exemplo, é uma das medidas que nós consideramos muito importantes”, argumentou Wagner.

Para Renan, o gesto de Dilma em enviar pessoalmente a  mensagem ao Congresso tem grande importância. “Significa uma mudança de patamar na relação”, observou o presidente do Senado. “Ela demonstra que quer conversar e o papel do Congresso Nacional é preservar o interesse do País. É sobretudo uma oportunidade para que possamos discutir os rumos do Brasil, que, nesse ano,  apresenta as mesmas dificuldades do ano que passou.” / COLABORARAM DANIEL CARVALHO E ISABELA BONFIM

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX