Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Dilma resiste à pressão e quer se manter no cargo até último dia

PT cobra saída em fevereiro, mas ministra prefere abril, com intensa agenda de inaugurações ao lado de Lula

João Domingos e Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2009 | 20h45

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deve ficar no cargo até o último dia permitido pela legislação, 3 de abril de 2010, apesar da pressão do partido para que antecipe sua saída. Ela quer participar de vistorias e inaugurações de obras, apostar na transferência da popularidade do presidente para tomar um "banho de rua" e aproveitar ao máximo a vitrine ministerial.

 

Veja também:

linkEm festa de aniversário, Lula pede eleição de Dilma de presente

 

O PT ainda insiste para que Dilma deixe o governo em fevereiro, logo após ser aclamada candidata no 4º congresso da legenda, que aprovará as diretrizes de seu programa de governo e reunirá até mesmo convidados internacionais. Será um grande encontro, em Brasília, para marcar a comemoração dos 30 anos do PT.

 

Lula não concorda com o roteiro traçado pelo partido: acha que Dilma precisa ficar à frente da Casa Civil, comandando o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e projetos estratégicos - como o plano habitacional Minha Casa, Minha Vida - até o prazo-limite fixado pela lei, seis meses antes da eleição de outubro.

 

Dos 35 ministros, 17 planejam entregar os cargos para fazer campanha, em 2010. Lula quer segurar todos até quando puder. Candidato ao governo do Rio Grande do Sul - Estado onde o PT e o PMDB vivem às turras -, o titular da Justiça, Tarso Genro, é um dos que já pediram para sair em dezembro. Até agora, Lula resiste.

 

O presidente também tem conversado com Dilma. Ela chegou a admitir a possibilidade de deixar a cadeira antes da hora, para se dedicar à campanha. Lula a dissuadiu da ideia. Alegou que, além de não ver vantagem na estratégia da saída antecipada - já que ela ficaria mais tempo sob bombardeio do PSDB do governador José Serra, também pré-candidato à Presidência -, Dilma é a "capitã do time."

 

Na tentativa de impulsionar a candidatura da ministra - praticamente desconhecida pelo eleitorado de baixa renda -, o governo e o PT preparam uma ofensiva de marketing para os próximos dias. "Não há nada que um banho de rua não resolva", disse Lula, de acordo com relato de interlocutores.

 

A estratégia é repetir viagens como a que foi feita às obras da transposição do São Francisco, onde a ministra mostrou que ainda precisa de muito ensaio para se aproximar da população com naturalidade. Em Barra, no oeste da Bahia, Dilma ameaçou dar um mergulho no meio da população, mas depois de alguns poucos abraços desistiu.

 

‘MAIS E MELHOR’

 

Os articuladores da campanha petista apostam que o presidente poderá transferir votos para Dilma se ela conseguir passar ao eleitor a mensagem da continuidade de um governo que termina bem avaliado, aliada à garantia do "mais e melhor". Capitaneado pelo próprio Lula, o time de conselheiros da ministra se reúne semanalmente para analisar cenários eleitorais e traçar estratégias.

 

"Foi a solução que encontramos para conversar sobre política, mas é apenas um diálogo entre amigos", afirmou o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). Integram esse grupo, além de Berzoini, o deputado Antonio Palocci (PT-SP), o chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, o ministro de Comunicação Social, Franklin Martins, o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel e o marqueteiro João Santana.

 

Lula ficou muito irritado com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, para quem "nem o mais cândido dos ingênuos" acredita que a caravana palaciana às obras de transposição do Rio São Francisco, na semana retrasada, tenha sido apenas para uma simples vistoria.

 

Em conversas reservadas, Lula disse que Mendes adotou postura política, não compatível com seu cargo. Publicamente, ele rebateu as afirmações do magistrado, que viu "campanha antecipada" da chefe da Casa Civil. Não foi só: anunciou que continuará levando Dilma a tiracolo em suas andanças.

 

Na quinta-feira, por exemplo, o presidente e a ministra aparecerão mais uma vez juntos, desta vez na Expo-Catadores, em São Paulo. Trata-se de uma exposição que reúne 1.500 catadores de lixo reciclável de todos os Estados, um público cobiçado por qualquer candidato.

 

Sob a proteção de dirigentes do PT, Dilma também começará a se aproximar dos militantes. Neste domingo, ela participa de um colóquio com movimentos sociais, também em São Paulo, para recolher ideias que vão integrar a plataforma de governo, coordenada pelo assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia.

 

Ao mesmo tempo, o núcleo político da campanha marca os encontros com os partidos da base aliada. Quarta-feira fará reunião com o PP do deputado Paulo Maluf (SP). E no dia 6 o PC do B anunciará em seu congresso que vai seguir com Dilma.

Mais conteúdo sobre:
Dilma Lula 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.