1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma recebe Temer, que aconselha a presidente a ‘ouvir mais do que falar’

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 03h 00

No primeiro encontro entre eles deste ano, vice ouve do Planalto proposta para a recriação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social; gesto marca tentativa de reaproximação de ambos após período de turbulência provocado por divulgação de carta

BRASÍLIA - Na primeira reunião do ano com a presidente Dilma Rousseff, o vice Michel Temer a aconselhou a “ouvir mais do que falar” na nova edição do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social – formado por integrantes do governo, empresários e sindicalistas –, que será reativado no fim deste mês. O encontro entre os dois, nesta quarta-feira, 20, foi uma tentativa de reconciliação após o mal-estar ocorrido em dezembro, quando uma carta escrita por Temer, na qual ele se queixava da “absoluta desconfiança” por parte de Dilma, vazou no Palácio do Planalto.

Mesmo assim, a reunião foi protocolar. Dilma e Temer conversaram sozinhos por aproximadamente 15 minutos e mais uma hora com os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo). Dilma perguntou ao vice o que ele achava da ideia de chamar a oposição para discutir saídas para a crise política. “A senhora deve ouvir a oposição, sim”, respondeu Temer, que no passado irritou o Planalto ao falar em “reunificação” nacional.

O vice disse a Dilma que, ao reativar o “Conselhão”, o governo precisa dar sinais de que está disposto a “ser mais servo”, ouvindo mais as ideias do grupo. Na avaliação de Temer, esse gesto ajudaria a “promover a pacificação”, fundamental para o País enfrentar os problemas políticos e econômicos.

Ele aconselhou a presidente a “retomar o diálogo” em todas as frentes, facilitando, assim, a busca de caminhos para tirar o Brasil da crise. Dilma afirmou que “está pensando” em conversar com integrantes da oposição.

Depois de ouvir as sugestões do vice, a presidente informou que está “buscando este entendimento”. Temer disse estar à disposição para ouvir e conversar com empresários, já que tem bom trânsito nessa área.

Os dois não falaram sobre a briga pela liderança do PMDB na Câmara ou o processo de impeachment nem sobre a nomeação de um peemedebista para a Secretaria da Aviação Civil, vaga desde a saída de Eliseu Padilha, aliado de Temer.

A presidente convidou Temer a comparecer à primeira reunião do Conselhão, em 28 de janeiro, e ajudá-lo na missão de buscar soluções que promovam o crescimento do País.

Na mesma data, Temer tem encontros no Paraná e em Santa Catarina com integrantes do PMDB. O vice está trabalhando para se reeleger presidente do partido na convenção marcada para março. Ainda ontem, o Planalto comemorava o fato de o presidente do Grupo Gerdau, Jorge Gerdau, confirmar que continua no Conselhão.

O Planalto se animou ainda com o fato de o ator Wagner Moura ter aceito o convite para integrar o Conselhão, assim como o escritor Fernando Moraes. Moura é embaixador da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Também estarão no grupo os banqueiros Roberto Setúbal, do Itaú, e Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco, além de Jorge Paulo Lemann, da Ambev.

‘Ponte’. Na conversa com Dilma, Temer lembrou que o PMDB produziu o programa “Uma Ponte para o Futuro”, com ideias que poderiam ser adotadas pelo governo para ajudar o País a sair da crise. Em um afago ao vice, com quem enfrentou muitos problemas nos últimos meses, Dilma disse que conhecia o documento e que ele já estava nas mãos do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

A necessidade de manter uma boa relação com Temer é defendida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para quem o vice é o principal beneficiário do impeachment, não podendo ficar afastado.

Jaques Wagner foi o porta-voz do convite para o encontro. A conversa foi tratada como “afável” e “descontraída”, mas houve quem interpretasse que o tête-à-tête interessava mais a Dilma do que a Temer, para que pudesse ser feita “uma foto” com os dois juntos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX