1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Dilma orienta Mercadante a tentar esvaziar 'blocão'

Vera Rosa e Tânia Monteiro - O Estado de S. Paulo

10 Março 2014 | 23h 33

Presidente quer saber o real tamanho da influência do deputado Eduardo Cunha (PMDB), defensor do rompimento do PMDB com o governo, entre partidos que compõem o grupo

Brasília - Preocupada com a atuação do "blocão" no Congresso, a presidente Dilma Rousseff pediu ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que tente esvaziar o grupo, atraindo novamente seus integrantes para o palanque governista. Dilma quer saber, na prática, até que ponto a rebelião comandada pelo líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), tem o apoio dos demais partidos da coalizão.

Mercadante iniciou essa operação antes do carnaval, dias após a criação do "blocão", grupo formado por sete partidos da base aliada e um da oposição (Solidariedade) para criar dificuldades em votações de interesse do governo no Congresso. Ele tem chamado a seu gabinete ministros e parlamentares de partidos da base para pedir que saiam do "blocão".

Na noite desta segunda-feira, 10, o chefe da Casa Civil conversou com o ministro dos Transportes, César Borges, que é filiado ao PR, com os senadores Alfredo Nascimento (AM) e Antônio Carlos Rodrigues (SP), e com o líder do partido na Câmara, Bernardo Santana (MG). Mercadante pediu aos parlamentares que não apoiem o projeto da oposição sobre uma comissão externa para acompanhar as investigações, na Holanda, de um esquema de pagamento de subornos a empresas, no qual a Petrobrás é mencionada.

O ministro, porém, não obteve sucesso na empreitada. Santana se queixou com Mercadante do que chamou de "mau tratamento" por parte do governo e avisou que a bancada quer continuar no "blocão". Na definição do PR, o grupo não é de oposição, mas quer discutir os "rumos" do governo. (COLABOROU EDUARDO BRESCIANI)