Everaldo Silva/ Futura Press
Everaldo Silva/ Futura Press

Dilma 'fez o gesto', agora vamos ver a reação do PMDB, diz novo ministro de Portos

Helder Barbalho avalia que nomeação dele e de demais ministros do partido para o comando de sete pastas é um 'sinal' para que governo obtenha apoio da bancada da sigla no Congresso

André Borges, O Estado de S. Paulo

06 Outubro 2015 | 11h26

BRASÍLIA - O novo ministro da Secretaria Especial de Portos (SEP), Helder Barbalho, disse que a presidente Dilma Rousseff "fez o gesto" para consolidar o apoio do PMDB ao governo no Congresso a partir da nomeação dele e dos demais ministros do partido para o comando de sete ministérios. "Ela fez o que tinha que ser feito. O sinal foi dado. Agora vamos ver como o partido reagirá", disse.

Helder Barbalho tomou posse no cargo nessa segunda-feira, 5, e nesta terça, 6 recebeu a função do ex-ministro da pasta, Edinho Araújo, em cerimônia realizada em Brasília Antes da SEP, Barbalho comandava a Pesca e Aquicultura, agora incorporada ao Ministério da Agricultura.

Apoio. Com a conclusão da reforma ministerial o Palácio do Planalto espera ter votos suficientes para manter os vetos presidenciais na sessão do Congresso marcada para esta terça. O governo espera que as mudanças no primeiro escalão, que contemplaram principalmente o PMDB e o PDT da Câmara, garantam que o apoio dos deputados não permitam a derrubada dos vetos que podem causar um impacto bilionário para as contas públicas.

As sete pastas que ficaram a cargo do PMDB com a reforma, todas de alto peso político e grande poder orçamentário são: Saúde, Minas e Energia, Agricultura, Ciência e Tecnologia, Turismo, Secretaria da Aviação Civil e Secretaria de Portos, que, juntas, têm quase R$ 100 bilhões previstos para o Orçamento de 2016. 

 

Mais conteúdo sobre:
reforma ministerial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.