1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Dilma evita demonstrar satisfação com pesquisa eleitoral

Fábio Graner, com informações do estadao.com.br

02 Fevereiro 2010 | 14h 12

'Na vida, a gente não sobe de salto alto', disse a ministra ao deixar o plenário da Câmara dos Deputados

 

BRASÍLIA - A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, evitou demonstrar alegria com relação aos resultados da pesquisa eleitoral divulgada na última segunda-feira, 2, pela CNT-Sensus. Ao ser questionada pelos jornalistas sobre o levantamento, a ministra disse que trata-se só de uma pesquisa. "Na vida, a gente não sobe de salto alto", disse Dilma ao deixar o plenário da Câmara dos Deputados, onde participou há pouco da reabertura dos trabalhos do Legislativo. Indagada ainda se estava feliz com os números da pesquisa, que mostram o seu crescimento nas intenções de voto, a ministra disse: "Feliz eu não fiquei também".

 

Veja Também

linkCNT/Sensus mostra empate técnico entre Serra e Dilma

linkAntonio Palocci desiste de candidatura ao governo de São Paulo

linkRapidez de crescimento de Dilma surpreende PT paulista

link'Pesquisa pode dar problema para Ciro e ao governo', diz Freire

link'Sem Ciro na disputa, Serra vence no 1º turno', diz líder do DEM

linkPresidente comemora aumento da popularidade, relata fonte

 

 

A diferença de intenção de voto de Dilma e o provável candidato tucano, o governador de São Paulo, José Serra, caiu quase pela metade, de 10,1 pontos porcentuais em novembro para 5,4 pontos em janeiro. No cenário com o deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE), se a eleição fosse hoje, Serra teria 33,2% dos votos, e Dilma, 27,8%. Ou seja, se computada a margem de erro de 3 pontos porcentuais para cima ou para baixo, Serra e Dilma estão tecnicamente empatados.

 

Na avaliação de um dos principais coordenadores da campanha petista, o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel, o crescimento da pré-candidatura de Dilma é reflexo de uma estratégia acertada, de colar a imagem da candidata governista à do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O processo de transferência de votos está caminhando", disse ele em entrevista ao estadao.com.br.

 

Indagada se estava feliz com a pesquisa, Dilma falou: 'Feliz eu não fiquei também'.Foto: Celso Junior/AE

 

O rápido crescimento da candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, surpreendeu o presidente estadual do PT, Edinho Silva. "Esperávamos que ela encostasse no Serra um pouco mais para frente", disse ele, ao comentar os resultados do levantamento CNT/Sensus divulgado nesta segunda-feira, 1º. Para Edinho, o aumento nas intenções de voto em Dilma reflete a aprovação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "A população também começou a conhecer a ministra e a confiar em seu trabalho", avaliou.

 

Políticos da oposição esforçaram-se para mostrar tranquilidade diante do crescimento da ministra na pesquisa. Para os tucanos, a melhora da petista era "esperada" e "natural" por causa das viagens e inaugurações de que ela tem participado ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Eles avaliam, entretanto, que o provável candidato do PSDB, o governador de São Paulo, José Serra, começará a subir nos levantamentos a partir de abril, passado o prazo legal para ele deixar o Executivo e poder se dedicar à candidatura em tempo integral.

 

O presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a pesquisa do Instituto Sensus, realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra que o governador de São Paulo, José Serra, pré-candidato do PSDB à presidência, continua favorito e pode vencer as eleições no 1º turno caso Ciro Gomes não entre na disputa.