1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma e prefeito disputam crédito por obra no Recife

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 14h 35

Briga pela 'paternidade' da obra vem desde 2014, quando a petista esteve no Recife para inaugurar o primeiro trecho da via

RECIFE - A inauguração de uma obra viária na zona sul do Recife na manhã desta quinta-feira, 21, se transformou em palco de disputa política. A presença da presidente Dilma Rousseff na cerimônia gerou desconforto em aliados do prefeito Geraldo Julio (PSB), que pretende usar a obra como vitrine eleitoral durante a sua campanha de reeleição este ano.

Já no início do evento, enquanto militantes do PSB gritavam o nome do prefeito, os do PT, em menor número, tentavam puxar o coro de “olê, olê, olá, Dilma, Dilma”. Quando a presidente começou a falar, uma tímida vaia foi abafada por aplausos efusivos. 

A briga pela “paternidade” da obra vem desde junho de 2014, quando a petista esteve no Recife para inaugurar o primeiro trecho da chamada Via Mangue. Na época, Dilma tinha como adversário na disputa pela Presidência o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), que morreu durante a campanha daquele ano.

Pista leste da Avenida Celso Furtado, em Recife, foi inaugurada nesta quinta-feira
Pista leste da Avenida Celso Furtado, em Recife, foi inaugurada nesta quinta-feira

No centro dessa polêmica, está a disputa sobre quem deu mais recursos para tirar a via expressa do papel: prefeitura ou governo federal. Nesta quinta, o release distribuído pela assessoria de imprensa da prefeitura do Recife destaca, inclusive com porcentagens, que a obra teve um custo de R$ 431 milhões, dos quais R$ 81 milhões (18,8%) foram pagos pela administração municipal, R$ 19 milhões (4,4%) pela União e o restante, R$ 331 milhões, via empréstimo da Caixa Econômica Federal, que serão pagos pelo município.

Já o texto divulgado pelo Ministério das Cidades diz que o custo total da via expressa foi de R$ 433,2 milhões, dos quais R$ 331 milhões seriam de financiamento do governo federal e R$ 102,2 milhões de contrapartida municipal.

Em seu discurso, Dilma afirmou que o governo foi responsável por conseguir um financiamento de longo prazo para a obra e subsidiar os juros que serão pagos pela prefeitura. Ela, porém, destacou a necessidade de governos de todas as esferas trabalharem em “parceria” para superar a atual crise econômica, independentemente das diferenças políticas.

“Nós todos temos que trabalhar muito para retomar o crescimento. É obvio que nós somos uma democracia, e numa democracia as pessoas podem divergir, discutir, se manifestar, falar que não concordam. Tudo isso é não só normal, como virtuoso. Agora, nada disso nos impede de ter acordo, unidade, ação conjunta, sobre algumas questões que são importantes para os pernambucanos, os nordestinos, os brasileiros. A democracia tem essa flexibilidade, ela permite que ao mesmo tempo que você critica, que você seja também capaz de agir em conjunto”, afirmou.

O prefeito do Recife, por sua vez, também fez um discurso para minimizar o mal estar e destacou que uma obra como essa “tem a mão de muita gente”. “Ninguém vai se arvorar a achar que construiu tudo isso sozinho, seria um ato ingênuo e de injustiça”, disse.

Iniciada em 2011, a Via Mangue foi projetada há mais de dez anos como via expressa de mão dupla. O objetivo da obra é desafogar o trânsito, um dos principais problemas da capital pernambucana.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX