Dilma diz que PMDB é muito 'estigmatizado'

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, saiu ontem em defesa do PMDB. "Acho que se estigmatiza muito o PMDB, que o PMDB quer isso, quer aquilo, quer aquilo outro", disse. Ela comentava a dificuldade que enfrentam PT e PMDB, no Pará, para fechar uma aliança estadual para as eleições do ano que vem. A maior liderança do partido do Estado é o deputado Jader Barbalho. "Um governo se faz, se governa, em conjunto ou não se governa em aliança", defendeu a ministra, para quem "é natural que haja processo de compreensão e entendimento". "Uma coligação política tem de ter tempo para amadurecer", completou.

AE, Agencia Estado

12 Outubro 2009 | 07h45

Jader, que apoiou a eleição da governadora Ana Júlia Carepa (PT) em 2006, teve a sua participação reduzida no governo estadual e quer lançar seu filho Hélder Barbalho, prefeito de Ananindeua, ao governo. Ana Júlia pretende disputar a reeleição. O PMDB perdeu o comando da Secretaria Estadual da Saúde e a governadora não apoiou o candidato de Jader para a Prefeitura de Belém, em 2008, consolidando o ressentimento. Através do conglomerado de comunicação da família, sob as ordens de Jader Barbalho Filho, ele faz críticas ao governo de Ana Júlia.

Em entrevista, a governadora considerou "incoerente" um partido que participa do seu governo bater na gestão. "É esquizofrenia", disse ela, em demonstração de que a união com o PMDB regional não será fácil. Segundo a petista, o PMDB coordena dois terços dos programas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em entrevista ao lado de Dilma e do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, Ana Júlia disse ser possível superar os obstáculos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
eleições Dilma Pará

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.