1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Dilma diz que o governo quer o KC-390 no mundo inteiro

CARLA ARAÚJO E MÁRIO BRAGA - Agência Estado

20 Maio 2014 | 13h 41

A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira, 20, durante a cerimônia de inauguração de um hangar da Embraer, em Gavião Peixoto (SP), que o KC-390, desenvolvido pela Embraer, tem potencial para ser vendido em todas as partes do mundo. "Na América Latina, África, Ásia, Europa, nos Estados Unidos, enfim, queremos esse produto em todas as partes do mundo", disse.

Dilma exaltou o sucesso do programa da Embraer feito em conjunto com a Força Aérea Brasileira (FAB) para a construção do KC-390. "Essa parceria permitiu desenvolver esse projeto inovador. É uma parceria fundamental para o País", afirmou. A presidente lembrou ainda que viu o projeto nascer quando era ministra-chefe da Casa Civil do governo Lula e que se sentia orgulhosa de ver "que em apenas cinco anos, o projeto se tornou realidade". "Quando a gente vê um projeto nascer, se desenvolver e se tornar realidade é algo que emociona", disse.

O KC-390 é o maior avião já desenvolvido pela Embraer e também a maior aeronave produzida no Hemisfério Sul. Entre os objetivos estão o transporte de tropas e armamentos, como helicópteros e tanques, abastecimento em voo e aterrissagens em pistas curtas e não pavimentadas, como as existentes na Amazônia e na Antártica. O contrato firmado nesta terça-feira entre a Embraer e a FAB prevê construção de 28 aeronaves em dez anos.

No início de seu discurso, a presidente quebrou o protocolo, saudou primeiramente os trabalhadores da Embraer, mas, posteriormente, agradeceu os elogios que recebeu do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que afirmou ser ela "sempre portadora de boas notícias" e disse concordar com o tucano na afirmação de que qualquer presidente teria orgulho de chegar a outros países a bordo de uma aeronave construída nacionalmente. "Somos um País de craques no futebol e craques na tecnologia."

A presidente afirmou que a nova tecnologia do KC-390 vai permitir a "sustentabilidade da nossa indústria da Defesa" e afirmou que esse novo patamar é resultado de "escolhas que viemos fazendo ao longo do tempo". Dilma lembrou o Plano Estratégico de Defesa Nacional, criado em 2008 pelo então presidente Lula, e destacou o lançamento do Plano Brasil Maior como duas medidas que ajudaram a desenvolver a indústria nacional.

Disse, ainda, que desde 2012 o País conta com uma legislação específica para estimular ainda mais as empresas brasileiras e afirmou que esse esquema jurídico garante ao Estado a possibilidade de realizar concorrências exclusivamente entre empresas estratégicas de defesa brasileira. "A Embraer foi uma das primeiras a serem certificadas como empresa estratégica de defesa", afirmou.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo