1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma diz não ter ficado 'nem um pouco' chateada com vaias no Congresso

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 13h 07

Presidente afirma ao 'Estado' que atitude do plenário de vaiá-la quando defendeu a CPMF 'é do jogo democrático' e que não se incomodou

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff disse ao Estado que não ficou “nem um pouco” chateada, constrangida ou com raiva das vaias que recebeu da oposição nessa terça-feira, 2, no plenário do Congresso, enquanto fazia discurso saudando os parlamentares e apresentando as propostas do governo para 2016.

“Com raiva? Nãaaaooo. De jeito nenhum”, disse a presidente, sem esboçar nenhum tipo de preocupação, antes de embarcar para Indaiatuba (SP), onde entrega, nesta quarta-feira, 3, novas unidades do programa Minha Casa, Minha Vida. “É assim mesmo. Na democracia é assim. É do jogo democrático. Não me incomodei”, emendou, explicando que isso “não tem problema”. As vaias mais fortes do plenário foram dadas quando a presidente defendeu a necessidade de recriação da CPMF para enfrentar este momento de crise econômica.

A presidente Dilma Rousseff 

A presidente Dilma Rousseff 

Zika. Dilma ressalvou, no entanto, que só fez questão de se posicionar quando a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) insistiu, questionando, aos gritos, o que ia ser feito com as crianças vítimas do zika vírus. “Dei uma explicação a ela. Nesse ponto nós estamos muito avançados. Descobrimos a doença em outubro, fizemos muitos testes e exames e, em um mês, constatamos que era por causa do mosquito e começamos a agir”, justificou.

Ela lembrou que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a microcefalia como emergência internacional, mas evitou incluir o vírus no mesmo alerta, alegando falta de provas de uma relação comprovada entre os dois fenômenos. “Mas nós fizemos muitos exames e estudos”, comentou, reiterando a sua convicção da relação do zika com a microcefalia.

A presidente falou muito da sua preocupação com o zika vírus, e com o aumento dos casos não só no Brasil, como em outros países do mundo. Dados divulgados nessa terça pelo Ministério da Saúde apontam que o número de casos confirmados de microcefalia subiu quase 50% no País em uma semana, passando de 270 para 404. Dilma, que fará pronunciamento em cadeia de rádio e TV hoje à noite para alertar para os perigos do Aedes aegypti, reiterou a necessidade de todos se empenharem no combate ao criadouro do mosquito.

Ao ouvir que a imprensa internacional estava noticiando ontem que no Texas, no Estados Unidos, se falava em contágio sexual da doença, a presidente se surpreendeu. “Não é possível. Pelo menos que eu saiba”, comentou, lembrando que para isso acontecer precisava do transmissor.

A presidente, que ontem terminou o dia em uma sessão de cinema no Palácio do Alvorada assistindo ao longa O Menino e o Mundo, do cineasta Alê Abreu, indicada ao Oscar 2016, teceu muitos elogios ao filme de animação. “Adorei o filme”, afirmou ela, acrescentando que o cineasta “é muito talentoso”. Ela elogiou ainda a trilha sonora do filme, que conta a história de um menino que deixa a aldeia onde vive em busca do seu paí. “Vale a pena assistir”, recomendou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX