Dilma deve anunciar hoje três pastas para o PMDB

Nove dias depois de anunciar os principais nomes de sua equipe econômica, e dois dias após de desautorizar anúncio do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), sobre a escolha de Sérgio Côrtes para o Ministério da Saúde, a presidente eleita, Dilma Rousseff, começa a atender o PMDB, seu principal aliado e partido do vice, Michel Temer.

AE, Agência Estado

03 Dezembro 2010 | 09h41

Dilma deverá anunciar hoje três ministros indicados pelo PMDB, todos negociados com a cúpula do partido, reforçando a posição de Temer. Além dos peemedebistas, Dilma anunciará também a escolha do grupo conhecido como "Cozinha do Planalto", integrado pelos ministros mais próximos a ela e os de outras pastas, como Relações Exteriores, cujo escolhido foi Antonio Patriota, atual secretário executivo da pasta.

Na negociação com o PMDB, a presidente eleita decidiu confirmar o ex-deputado Wagner Rossi (SP), da cota pessoal do vice Michel Temer, que será mantido no Ministério da Agricultura. O senador Edison Lobão (MA) volta ao Ministério das Minas e Energia por um acordo entre o grupo do presidente do Senado, José Sarney (AP), do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma. Nelson Jobim permanece no Ministério da Defesa. Jobim, embora do PMDB, teve como padrinho o presidente Lula.

Hoje, o partido perderá oficialmente o comando do Ministério das Comunicações, que ficará com o atual ministro do Planejamento, o petista Paulo Bernardo, escolha pessoal de Dilma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Dilma transição cargos ministérios PMDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.