1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Eleições 2014

Dilma cumpre agenda discreta de trabalho em Brasília após tragédia

Presidente decidiu suspender as atividades de campanha pelos próximos dias, mas seguirá cumprindo obrigações de presidente

Um dia depois da trágica morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, a presidente Dilma Rousseff cumpriu nesta quinta-feira uma discreta agenda de trabalho, reunindo-se com empresários, banqueiros e ministros no Palácio do Planalto. Dilma decidiu suspender as atividades de campanha pelos próximos dias, mas, segundo auxiliares, seguirá despachando no Planalto e cumprindo suas obrigações de presidente.

A morte de Campos fez Dilma cancelar uma sucessão de eventos públicos programados em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Cabrobó e Floresta - nessas duas últimas cidades, ambas em Pernambuco, a candidata à reeleição visitaria as obras de transposição do Rio São Francisco.
Em Belo Horizonte, participaria hoje de cerimônia com alunos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e no Rio, amanhã, deveria almoçar em restaurante popular em Bangu e prestigiar o lançamento do livro "Um país chamado favela", em Madureira. Todas essas agendas foram canceladas.

Dilma manterá obrigações de presidente
Dilma manterá obrigações de presidente

A equipe presidencial que já estava em Floresta foi deslocada em Recife para aguardar as definições em torno do velório de Campos. A presidente também escalou o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para acompanhar de perto os desdobramentos. Ainda abalada com a morte de Campos, Dilma foi informada ao longo de todo o dia sobre os trabalhos da perícia na região de Santos.

Pela manhã, a presidente reuniu-se com a CEO da General Motors, Mary Teresa Barra, que anunciou que a montadora pretende investir R$ 6,5 bilhões no País pelos próximos cinco anos. À tarde, teve audiência com o presidente do Conselho de Administração do Grupo JBS, Joesley Batista, e, por fim, com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi.

Eleições 2014