1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma compara 'pedaladas' ao uso de cinto de segurança

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 19h 29

Presidente argumentou que, assim como não usar o equipamento de segurança, o atraso no pagamento a bancos públicos não pode ser considerado erro até que haja previsão legal

Brasília - Em entrevista nesta manhã, a presidente Dilma Rousseff não reconheceu que o governo tenha cometido erro com as chamadas "pedaladas fiscais". A presidente comparou a situação vivida no ano passado ao período em que os brasileiros não tinham a obrigatoriedade, por lei, de usar cinto de segurança.

Presidente Dilma Rousseff durante café da manhã com jornalistas-setoristas do Palácio do Planalto

Presidente Dilma Rousseff durante café da manhã com jornalistas-setoristas do Palácio do Planalto

"Nós não reconhecemos o erro porque, quando o cinto de segurança não era previsto na legislação, os 200 milhões de brasileiros não estavam cometendo nenhum equívoco. Simplesmente a legislação não previa. A mesma coisa aconteceu com o governo. A legislação não previa e como o Tribunal começou a prever, não queremos entrar nesse tipo de disputa, então pagamos", explicou.

Dilma destacou que o governo pagou "tudo" o que o Tribunal de Contas da União (TCU) apontou que era devido às instituições de crédito, entre eles BNDES, Caixa e FGTS. "O governo pagou isso não porque reconheça qualquer erro na questão da forma pela qual nós estávamos atuando", enfatizou.

Ouça a entrevista completa aqui

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX