Roberto Stuckert Filho – PR/Divulgação
Roberto Stuckert Filho – PR/Divulgação

Dilma cancela viagem aos EUA

Na avaliação do Planalto, visita oficial ficou comprometida em razão das denúncias de espionagem

Ampliada às 13h42, Tânia Monteiro - O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2013 | 13h29

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff decidiu cancelar sua viagem oficial aos Estados Unidos, marcada para o dia 23 de outubro. No Palácio do Planalto a informação é que não há clima para a realização da viagem de Estado a Washington após as suspeitas de espionagem envolvendo o governo americano.

Segundo nota divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República, o adiamento foi uma decisão conjunta da presidente Dilma e do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. A Casa Branca também divulgou nota afirmando que a decisão foi acordada.

"Os dois presidentes decidiram adiar a visita de Estado, pois os resultados dessa visita não podem ficar condicionados a um tema cuja solução satisfatória para o Brasil ainda não foi alcançada", diz a nota do Planalto

As respostas dadas até agora sobre os vazamentos de Edward Snowden, segundo quem Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) monitorou conversas da própria Dilma, além de dados da Petrobrás, não foram satisfatórias, na avaliação da presidente. Por isso, o adiamento seria a melhor solução, para que, até lá, o assunto espionagem saia da pauta principal e se possa considerar poder discutir questões econômicas.

A resposta do Brasil está sendo informada aos Estados Unidos e a forma de comunicado, construída em conjunto entre os dois países. Os norte-americanos também vão anunciar uma decisão por Washington. Enquanto isso, Dilma mantém a disposição de usar seu discurso da ONU, na semana que vem, para criticar o monitoramento.

No início da crise, há dois meses, a reação americana ficou muito aquém do que esperava o Brasil. No fim da tarde dessa segunda, 16, Obama telefonou para Dilma para tratar do assunto. Nem o Itamaraty nem a Presidência revelaram detalhes da conversa dos dois - que aconteceu às 18h30 e durou cerca de 20 minutos.

Há duas semanas, a presidente já havia mandado cancelar a viagem da equipe preparatória, que cuida de toda a logística da visita e define os detalhes da agenda. Na semana passada, durante reunião de cúpula do G-20, na Rússia, Dilma declarou que sua ida dependeria de "condições políticas" a serem criadas por Obama.

Veja a íntegra da nota em que o Palácio do Planalto confirmou o adiamento da viagem:

"A presidenta Dilma Rousseff recebeu ontem, 16 de setembro, telefonema do presidente Barack Obama, dando continuidade ao encontro mantido em São Petersburgo à margem do G-20 e aos contatos entre o ministro Luiz Alberto Figueiredo Machado e a Assessora de Segurança Nacional Susan Rice.

O governo brasileiro tem presente a importância e a diversidade do relacionamento bilateral, fundado no respeito e na confiança mútua. Temos trabalhado conjuntamente para promover o crescimento econômico e fomentar a geração de emprego e renda. Nossas relações compreendem a cooperação em áreas tão diversas como ciência e tecnologia, educação, energia, comércio e finanças, envolvendo governos, empresas e cidadãos dos dois países.

As práticas ilegais de interceptação das comunicações e dados de cidadãos, empresas e membros do governo brasileiro constituem fato grave, atentatório à soberania nacional e aos direitos individuais, e incompatível com a convivência democrática entre países amigos.

Tendo em conta a proximidade da programada visita de Estado a Washington - e na ausência de tempestiva apuração do ocorrido, com as correspondentes explicações e o compromisso de cessar as atividades de interceptação - não estão dadas as condições para a realização da visita na data anteriormente acordada.

Dessa forma, os dois presidentes decidiram adiar a visita de Estado, pois os resultados desta visita não devem ficar condicionados a um tema cuja solução satisfatória para o Brasil ainda não foi alcançada.

O governo brasileiro confia em que, uma vez resolvida a questão de maneira adequada, a visita de Estado ocorra no mais breve prazo possível, impulsionando a construção de nossa parceria estratégica a patamares ainda mais altos."

Mais conteúdo sobre:
espionagem dilma Eduard Snowden

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.