1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Dilma amplia investigação sobre alteração em site

TÂNIA MONTEIRO - Estadão Conteúdo

11 Agosto 2014 | 22h 01

A presidente Dilma Rousseff decidiu ampliar a investigação em relação ao escândalo do Wikipedia, que alterou dados nos currículos de dois jornalistas. A comissão de sindicância criada nesta segunda-feira pela Casa Civil, por determinação da presidente Dilma Rousseff, para apurar a utilização de equipamentos do Palácio do Planalto para alterar currículo de jornalistas no Wikipedia, irá examinar não só estes casos, mas todas as modificações pejorativas que tenham sido feitas com finalidade semelhante por servidores do governo.

O objetivo do Planalto, de acordo com a portaria que cria a comissão, é apurar "os atos e fatos" relativos ao caso e todas as chamadas "infrações conexas" que possam ter ocorrido, assim como os seus responsáveis. Por isso mesmo, computadores do Planalto serão vasculhados e servidores serão convocados a dar explicações à comissão, cujo presidente será o secretário-executivo da Casa Civil, Valdir Moyses Simão, número dois de Aloizio Mercadante.

O Diário Oficial de amanhã publica portaria assinada pelo ministro Aloizio Mercadante nomeando Valdir Simão e mais seis integrantes do governo para apurar tudo que for possível. A comissão tem 30 dias concluir os trabalhos. Dilma, ao tomar conhecimento do ocorrido e da primeira resposta governo, dada pela Secretaria de Comunicação da Presidência, de que era "tecnicamente impossível" encontrar os responsáveis pelo caso, resolveu tomar a frente e dar uma resposta à altura do caso, para evitar contaminação à sua campanha.

Dilma quer responder às críticas de aparelhamento do Estado pelo PT para não deixar transparecer que não se incomoda com este tipo de invasão de privacidade, que chegou a chamar de absurda. A presidente também tem pressa na investigação e criou esta comissão da Casa Civil para apressar os trabalhos em relação ao prazo anterior dado pela Secretaria Geral, que era de 60 dias.

Além de Valdir Simão, comporão a comissão Renato da Silveira Martini, da Diretoria do Instituto de Tecnologia, Maurício Theodoro Mattos Marques, diretor de Tecnologia da Diretoria de Administração da Presidência, e Márcio Lopes de Freitas Filhos, assessor especial do Ministério da Justiça. Os servidores públicos Renato Machado de Souza, Francisco Eduardo Bessa e Marcelo Azambuja darão assessoramento técnico à comissão.

A portaria prevê que sejam investigadas irregularidades nas modificações do Wikipedia, bem como "as demais infrações conexas que surgirem no decorrer deste trabalho". A ideia do Planalto é tentar não deixar sem resposta as denúncias, apesar de em nenhum momento assegurarem que encontrarão os responsáveis.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo