Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

'DEM tem condição de construir candidatura própria', diz Maia

Segundo presidente da Câmara, pesquisas mostram que corria ao Planalto está aberta, sem nomes consolidados

Marcelo Osakabe, O Estado de S. Paulo

06 Fevereiro 2018 | 18h19

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, reiterou nesta terça-feira a disposição de seu partido de construir uma candidatura presidencial e afirmou que as pesquisas mostram que a corrida ao Planalto está aberta, sem nomes consolidados além do ex-presidente Lula.

"O Democratas tem condições de construir uma candidatura majoritária, (e) o cenário político brasileiro hoje está muito aberto. Tirando o ex-presidente Lula, não tem nenhuma candidatura hoje consolidada", afirmou o deputado fluminense, que concedeu entrevista coletiva na sede da Prefeitura da capital paulista, ao lado do prefeito João Doria (PSDB), que o recebeu esta tarde. Mais cedo, Maia esteve também com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, para "discutir o cenário político", segundo o presidente da Câmara.

++ Collor diz que pré-candidatura é 'desafio que o destino impõe'

Questionado sobre as chances de o chamado centro do espectro político construir uma candidatura unificada nas eleições presidenciais desse ano, como vinham pregando lideranças políticas nos últimos meses, Maia foi indireto. "Se você olhar as pesquisas, o indicador que precisa ser avaliado nesse momento é a rejeição. E, nesse campo, tirando o Lula, não há ninguém consolidado num patamar que agregue forças. (Então) qualquer um, se tiver apoio e vontade, tem condição de construir uma candidatura presidencial", avaliou.

 

Maia disse ainda que "todo mundo gostaria de ser presidente", mas repetiu que o seu partido ira avaliar, em março, se isso será uma "aventura ou risco". Sobre o governador Geraldo Alckmin, principal presidenciável tucano, o deputado voltou a dizer: "eu olho pesquisa. Não tem ninguém hoje favorito para chegar ao segundo turno. E não é que o governador Geraldo não possa construir (sua candidatura), mas é ele quem precisa fazer isso".

Ao lado de Doria, possível candidato tucano ao Palácio dos Bandeirantes, o democrata afirmou ainda que não vai sacrificar o arranjo político do DEM nos Estados em função da candidatura ao Planalto. "Nos Estados , temos que reafirmar nossas relações. Aqui em São Paulo, temos uma aliança com o PSDB na Prefeitura e no Estado. Não vamos fazer nenhuma intervenção nos diretórios e a decisão tomada pelo nosso diretório aqui será respeitada. Ninguém vai consolidar um projeto nacional querendo enquadrar os projetos estaduais", declarou.

++ Lula recebe de volta seu passaporte

Maia se reuniu com Doria nesta tarde na sede da prefeitura de São Paulo para conhecer a proposta de reforma da Previdência municipal que o prefeito quer implantar. O texto já foi encaminhado à Câmara de Vereadores e propõe, entre outros pontos, o aumento da contribuição de servidores e a criação de um fundo complementar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.