1. Usuário
Assine o Estadão
assine

DEM quer que Padilha esclareça na Câmara relação com doleiro

Daiene Cardoso

25 Abril 2014 | 12h 01

Lideranças do partido, opositor ao governo, vão apresentar requerimentos para ex-ministro explicar suposta indicação de um executivo a Alberto Youssef, segundo relatórios da PF

Brasília - A liderança do DEM na Câmara dos Deputados anunciou nesta sexta-feira, 23, que apresentará na próxima semana quatro requerimentos para que o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e Marcus Cezar Ferreira de Moura, executivo que teria sido indicado pelo petista para o laboratório Labogen, prestem esclarecimentos em quatro comissões permanentes da Casa. A oposição deve protocolar os convites nas Comissões de Fiscalização Financeira e Controle, Desenvolvimento Econômico, Seguridade Social e Família e Segurança Pública.

Relatório da Operação Lava Jato da Polícia Federal sugere que o ex-ministro, atual pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, teria indicado o executivo para o laboratório controlado pelo doleiro Alberto Youssef, preso pela PF. Em 2013, o laboratório tentava obter um contrato milionário com o Ministério da Saúde.

Em nota, o ex-ministro negou ter qualquer relação com o doleiro. "A prova maior disso é que nunca existiu contrato com a Labogen e nunca houve desembolso por parte do Ministério da Saúde", diz o texto.

Marcus Cezar Ferreira de Moura havia trabalhado no Ministério da Saúde entre 26 de maio e 1.º de agosto de 2011. Foi assessor da coordenação de eventos na gestão de Padilha.

O documento mostra ainda que Youssef, preso desde 17 de março de 2014, mantinha contatos com outros deputados do PT, além de André Vargas (PT-PR).

A PF suspeita que o doleiro se encontrou com Vargas no apartamento funcional do ex-líder do governo na Câmara Cândido Vaccarezza (PT-SP), em Brasília. O ex-ministro não caiu na malha de grampos da PF e nem é investigado. "As evidências indicam que Vargas tinha interesse no processo de contratação do Labogen junto ao Ministério da Saúde", sustenta a PF.

No trecho relativo ao ex-ministro da Saúde, a PF captou diálogos entre Youssef e Vargas - este chama Padilha de "Pad". No dia 26 de novembro de 2013, Vargas pede ao doleiro que reserve a melhor suíte de um hotel - Blue Tree - que pertence a Youssef, segundo a PF. O deputado diz que falou com o "PAD". "Ele vai marcar uma agenda comigo", diz Vargas. O doleiro responde: "ótimo". E elogia a atitude do deputado. "Precisamos estar presentes."

A PF diz que o Labogen - com folha de pessoal de apenas R$ 28 mil - planejava arrecadar R$ 150 milhões com o negócio na Saúde, fornecimento de remédio para hipertenso. O contrato não chegou a ser assinado e, segundo o ministério, nenhum pagamento foi feito.