DEM quer CPI sobre suposto favorecimento a José Dirceu

'Desde que foi cassado no STF, ele só faz lobby em negócios escusos', afirma deputado Paulo Bornhausen

Gerusa Marques, da Agência Estado,

23 Fevereiro 2010 | 11h02

O líder do DEM na Câmara, deputado Paulo Bornhausen (SC), disse hoje que vai propor a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a reativação da Telebrás, ainda em estudo pelo governo. Segundo ele, o colegiado irá investigar também as denúncias publicadas hoje pelo jornal Folha de S.Paulo, de favorecimento ao ex-ministro José Dirceu e amigos com a utilização da rede Eletronet no Plano Nacional de Banda Larga.

 

Veja também:

link Lula fala em retorno da Telebrás e ações sobem

 

"A velocidade que se imprimiu a esse processo já era de se desconfiar. Nesse momento, você encontra a verdadeira razão. São os interesses de José Dirceu que, desde que foi cassado e denunciado por formação de quadrilha no Supremo Tribunal Federal (STF), só faz lobby em negócios escusos, como esses que estão aparecendo aí." De acordo com Bornhausen, esse negócios irão lesar o contribuinte.

 

O líder do DEM disse que pretende conversar com partidos da oposição, principalmente o PPS e o PSDB, para que a CPI seja aberta rapidamente. "É preciso abrir uma investigação. A reativação da Telebrás é um jogo de negócios", afirmou. Ele disse que não faz sentido colocar a Telebrás para ser operadora do Plano Nacional de Banda Larga e negar participação à iniciativa privada.

 

Afirmou ainda que Comissão de Valores Mobiliários (CVM) precisa se manifestar sobre a valorização "absurda" que as ações da Telebrás tem sofrido nos últimos meses. "A CVM precisa se manifestar sobre essa manipulação que está caracterizada agora com agentes do governo fazendo lobby para que isso aconteça. Há um grande cheiro de negociata." Bornhausen deu tais declarações ao chegar ao seminário Desafios da Banda Larga, em Brasília.

Mais conteúdo sobre:
Câmara CPI Telebrás José Dirceu DEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.