1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Delcídio só não pode conversar com três investigados da Lava Jato

- Atualizado: 23 Fevereiro 2016 | 22h 10

Ministro do Supremo Teori Zavascki esclareceu dúvidas da defesa do senador sobre as restrições impostas na decisão que revogou a prisão provisória do ex-líder do governo

BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki esclareceu nesta terça-feira, 23, as dúvidas da defesa do senador Delcídio Amaral (PT-MS) sobre as restrições impostas na decisão que revogou a prisão provisória do ex-líder do governo, na sexta-feira. Em audiência com Teori, advogados de Delcídio foram informados de que a proibição para o senador conversar com investigados da Operação Lava Jato somente se refere a contatos com seu assessor Diogo Ferreira, o ex-banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, e o advogado Edson Ribeiro.

Diogo também foi solto na sexta-feira e, diante dessa decisão, não poderá mais trabalhar no gabinete de Delcídio. O assessor e o advogado participaram da conversa gravada por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, que motivou a prisão em flagrante do senador.

No diálogo, Delcídio ofereceu uma mesada de R$ 50 mil mensais para a família de Cerveró, em troca do silêncio do ex-diretor da Petrobrás. Suspeito de planejar com Delcídio a fuga de Cerveró,  André Esteves também foi preso em novembro, no Rio. O ex-banqueiro, porém, foi solto em dezembro.

De acordo com a decisão de Teori, relator da Lava Jato, o senador não poderá se encontrar nem fazer contato por telefone ou e-mail com Diogo, Esteves ou Ribeiro.

Teori também esclareceu a dúvida dos advogados relativa ao recolhimento noturno de Delcídio. Alvo de uma representação da Rede e do PPS que pede a cassação do seu mandato por quebra do decoro parlamentar no Conselho de Ética, o petista ainda não foi julgado e poderá exercer suas atividades. O ex-líder do governo Dilma será obrigado a dormir em casa todos os dias, mas, se as sessões de votação forem até tarde da noite, poderá acompanhá-las até o fim.

De 15 em 15 dias, porém, ele terá de comparecer à 12.ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, para “informar e justificar atividades”. Além de Delcídio, há outros 13 investigados pela Lava Jato no Senado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX