André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Delações da Odebrecht chegam ao Supremo Tribunal Federal

Documentos de 77 executivos e ex-executivos da empreiteira serão analisados pelo ministro Teori Zavascki

Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2016 | 11h49

BRASÍLIA - Os documentos dos acordos de delação premiada de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht foram entregues pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã desta segunda-feira, 19. Os relatos, por escrito ou em vídeo, recolhidos na semana passada, foram armazenados na sala-cofre do STF e estão à disposição do ministro Teori Zavascki, relator dos processos envolvendo a Lava Jato na Corte. Cabe a ele homologar ou rejeitar cada um dos acordos de delação.

A entrega dos documentos aconteceu pouco após as 9h desta segunda-feira, quando recém-havia iniciado a última sessão plenária do ano no Supremo Tribunal Federal. Coube a um servidor da PGR levar os documentos, que foram recebidos por uma servidora. A papelada veio em um carro e entrou pelo estacionamento, passando por todo o tapete vermelho que leva até o elevador do prédio principal do STF. Em seguida, os documentos foram alojados no terceiro andar da casa, na sala-cofre do Supremo. Apenas Teori Zavascki e equipe terão acesso a eles.

Apesar de serem 77 acordos de colaboração, houve centenas de depoimentos. Um volume impossível de se analisar neste que é o último dia de trabalho do Supremo Tribunal Federal em 2016. O recesso começa amanhã. Entretanto, a equipe de assessores e juízes auxiliares de Teori Zavascki pode se debruçar sobre as análises durante o recesso, adiantando o processo de avaliação sobre se as delações cumprem os requisitos para serem declaradas válidas. O objetivo de Teori Zavascki é decidir pela homologação ou não das delações na volta aos trabalhos, em fevereiro. 

Mais conteúdo sobre:
Odebrecht Teori Zavascki

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.