Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Delação da J&F era 'extremamente problemática', diz Gilmar

Para ministro, pressa da Procuradoria-Geral da República teria gerado acordo falho e investigações precárias

Andrei Netto, Correspondente

05 Setembro 2017 | 08h32

PARIS -  O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse que a delação da J&F, utilizada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para denunciar o presidente Michel Temer, era "extremamente problemática" e amparou investigações precárias. As declarações foram feitas na manhã desta terça-feira, 5, em Paris, onde o ministro tem agenda oficial.

+++ Procurador avisa que delatores da JBS podem sofrer 'perda total' da premiação

Para Gilmar, o STF já havia levantado questões sobre a pertinência e a legalidade do acordo de delação premiada firmado pela PGR. "Eu chamei a atenção no julgamento da questão da delação de que nós precisávamos tomar todo cuidado. Inclusive, quanto a possibilidade de revisão, a necessidade de apreciar esses casos no colegiado, e me parece que meus prognósticos se confirmaram", afirmou o ministro.

Sobre as supostas citações a membros do STF nas novas gravações entregues à PGR, o ministro pediu calma nas investigações. "Temos que esperar. Isso tem que ser revelado. Essa guerra psicológica não adianta nada, né? Quer dizer, o importante é que se esclareça e que se tire isso tudo a limpo", reiterou.

Quanto à perspectiva de que a delação seja anulada, e que as provas obtidas a partir das gravações sejam questionadas pela defesa dos suspeitos, Mendes considera uma possibilidade. "Vamos aguardar. Eu tenho a impressão que todos sabiam que era uma delação extremamente problemática, desde o começo", avaliou. 

+++ Análise: Pressa em lançar flechas pode fazer Janot virar alvo

"A Polícia Federal tinha feito observações muito críticas em relação à pressa com que a procuradoria conduziu todo o episódio e agora está se vendo o preço que se cobra para isso", completou o ministro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.