Delação da JBS por um fio

Temer deixa de ser o único alvo, PGR entra no próprio foco, Joesley está frito

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 03h00

O presidente Michel Temer é o principal beneficiário da reviravolta nas delações da JBS, porque deixou de ser o alvo solitário das flechadas do procurador Rodrigo Janot, que o trata como o principal líder do “PMDB da Câmara” e se preparava (ou se prepara) para denunciá-lo como líder de organização criminosa. 

Se Janot tinha “obsessão” por Temer, agora está às voltas com a rescisão total ou parcial do acordo com os irmãos Joesley e Wesley Batista e com o envolvimento de seu antigo braço direito, Marcello Muller, em “crimes gravíssimos”. A PGR entrou no próprio foco, Temer ganhou algum refresco, os irmãos Batista conquistaram um inimigo implacável.

O ex-procurador Miller saiu da PGR direto para o escritório de advocacia que atendia justamente a JBS. Significa, na prática, que ele colheu todas as informações privilegiadas na PGR e foi negociá-las com o investigado. Ou seja, foi usá-las para ganhar dinheiro com a defesa de quem ele antes acusava. É grave e deixa Janot numa situação no mínimo constrangedora. O tom de Janot em relação a Miller, definitivamente, não foi de amigo.

As quatro horas de gravação, porém, não complicam apenas a vida de Marcelo Miller, mas também a de um ministro do Supremo Tribunal Federal e a de um parlamentar com mandato. Ou seja: se o Brasil inteiro estava em suspense, esperando a flechada mortal de Janot contra Temer, passou a esperar uma nuvem de flechadas contra os três Poderes e a própria PGR.

Apesar disso, e de Temer estar saindo do foco, ou ao menos dividindo o foco com personagens ilustríssimos, é importante destacar a ressalva repetida várias vezes por Janot, durante o pronunciamento de ontem à noite: Joesley e Wesley Batista podem perder os benefícios da delação, em parte ou totalmente, mas as provas que eles entregaram – inclusive as gravações contra Temer – continuam plenamente válidas.

Os irmãos Batista já tinham contratado um excelente, e caro, escritório de advocacia já temendo ou prevendo que as benesses do acordo correriam risco. Agora, não é apenas risco. A delação está por um fio. Segundo Janot, que fez enfática defesa do instituto da colaboração premiada, mas deixou evidente a intenção de punir os donos da JBS, “não se pode ludibriar impunemente o MP e o Poder Judiciário”. É disso que Joesley e Wesley Batista estão sendo acusados.

Para piorar a situação dos irmãos, que ainda enfrentam questionamentos da Polícia Federal, da CVM e do MPF do Distrito Federal, eles já tinham perdido a guerra da opinião pública. A percepção generalizada é que o procurador Janot e o relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin, foram precipitados. 

Janot fechou a delação em cima da famosa gravação de Joesley com Temer, sem exigir revelações sobre como enriqueceu no governo Lula, à custa do BNDES. Fachin não pensou duas vezes em homologá-la, sem ao menos pedir uma perícia oficial e especializada. Um espanto.

Na ânsia de “pegar” o presidente da República a qualquer custo, eles teriam sido excessivamente camaradas com os irmãos Batista. Um dos pontos centrais é que dos donos da JBS não foram classificados como “chefes de quadrilha”, caracterização que os impediria de receber benefícios da colaboração premiada. 

Ministros do próprio Supremo sempre questionaram isso, já que a JBS era tão fábrica de corrupção quanto a Odebrecht. Mas o tratamento foi completamente diferente. Enquanto Joesley Batista esfregava na cara da sociedade seu apartamento milionário em Nova York, seu jato de última geração e sua lancha de cinema, entrando e saindo à vontade do País, Marcelo, o herdeiro dos Odebrecht, amarga uma prisão inóspita há dois anos. A opinião pública, certamente, torce pela revisão das benesses. E não se descarta a prisão iminente de Joesley Batista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.