1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Defesa de Azeredo entra com recurso contra condenação

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 07h 33

Ex-governador tucano foi sentenciado a 20 anos de prisão no mensalão mineiro por peculato elavagem de dinheiro

BELO HORIZONTE - A defesa do ex-governador de Minas Gerais e ex-presidente nacional do PSDB Eduardo Azeredo entrou ontem com recurso contra a condenação do político a 20 anos e dez meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro. A sentença, da juíza Melissa Pinheiro Costa Lage Giovanardi, da 9.ª Vara Criminal da Comarca de Belo Horizonte, é de 16 de dezembro.

O mensalão mineiro foi como ficou conhecido, segundo a acusação, um esquema de desvio de recursos de empresas estatais mineiras para a reeleição de Azeredo em 1998, quando o tucano foi derrotado na disputa pelo ex-presidente da República Itamar Franco.

O advogado do ex-governador, Castellar Guimarães, acionou a Justiça ainda com embargos declaratórios em relação à pena. O recurso é utilizado quando há dúvidas quanto a aspectos da decisão. Azeredo foi condenado, ainda, ao pagamento de 1.904 salários mínimos. Por ser decisão de primeira instância, o tucano recorre em liberdade.

Procuradoria-Geral. Em fevereiro de 2014, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a condenação de Azeredo, que à época era deputado federal, a 22 anos de prisão pelo mensalão mineiro. O parlamentar, no entanto, renunciou ao cargo e, pela perda de foro privilegiado, o processo foi enviado à primeira instância da Justiça estadual em Minas Gerais.

Azeredo foi denunciado pelo desvio de pelo menos R$ 3,5 milhões de estatais por meio das empresas de publicidade de Marcos Valério Fernandes de Souza, que cumpre pena de 37 anos de prisão imposta no julgamento do mensalão federal.

O tucano, segundo a acusação, utilizou recursos que iriam para eventos para abastecer caixa 2 de campanha. Na sentença, a juíza afirma ter sido criada “uma organização criminosa complexa, com divisão de tarefas aprofundada, de forma metódica e duradoura”. A reportagem não conseguiu contato com o advogado do tucano.

O recurso e os embargos de declaração, conforme a assessoria do Fórum Lafayette – primeira instância da Justiça estadual –, deverão ser enviados ao Tribunal de Justiça (TJ-MG), já que a juíza não deverá modificar sua sentença.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX