1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Defensoria pública assume defesa do caseiro preso no caso Paulo Malhães

Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

07 Maio 2014 | 18h 47

Rogério Pires prestou três depoimentos à polícia desacompanhado de advogado

Rio A defensora pública da 2ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, Raquel Ayres, foi nomeada nesta quarta-feira, 7, para acompanhar o processo e os depoimentos prestados pelo caseiro Rogério Pires, acusado de participar do assalto que culminou com a morte do coronel da reserva do Exército Paulo Malhães.

O pedido foi protocolado na tarde dessa terça-feira, 6, na Defensoria Pública do Rio, pelo presidente da Comissão da Verdade, Wadih Damous.

A promotora Adriana Lucas Medeiros, da 7ª Promotoria de Investigação Penal de Duque de Caxias, autorizou a quebra de sigilo de dados dos envolvidos no caso. Ela também aguarda a conclusão dos laudos periciais, de necropsia e de local para decidir se outras medidas serão necessárias.

Torturador confesso de presos políticos durante a ditadura militar brasileira, Malhães morreu no dia 24 de abril durante assalto no sítio onde morava, na zona rural de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

De acordo com a Polícia Civil, Pires confessou ter facilitado o acesso e passado informações sobre a rotina da casa aos criminosos. Os irmãos dele, Anderson e Rodrigo Pires, são apontados como os mandantes do crime junto com um homem encapuzado que ainda não foi identificado.

Na terça, três integrantes da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado estiveram no Rio para colher informações sobre a investigação. Acompanhados por Damous, eles conversaram com o caseiro na carceragem da Divisão Antissequestro (DAS), no Leblon, zona sul, e depois seguiram para reunião com a cúpula da Polícia Civil e os delegados responsáveis pelo caso.

Os senadores consideraram "muito estranho" o fato de os três depoimentos de Pires, que disse ser analfabeto, terem sido prestados sem o acompanhamento de um advogado. Em resposta o delegado titular da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Pedro Henrique Medina, afirmou que "todo regulamento do código de processo penal foi seguido". "Pode ser feito um depoimento e uma confissão sem o advogado desde que haja testemunhas de leitura".

 

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo