Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Decisão de apoiar o governo nunca foi revogada, diz chanceler tucano

Aloysio Nunes ironiza declaração de Padilha e diz que deve ter "cochilado" em reunião do partido

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2017 | 10h49

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse nesta quinta-feira, 30, que a convenção do PSDB, no próximo dia 9, deve se concentrar apenas na eleição do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para comandar o partido, e não no rompimento com o governo de Michel Temer. “Colocar esse tema agora na pauta é amesquinhar o PSDB”, argumentou o chanceler. 

Um dia depois de o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ter dito que “o PSDB não está mais na base de sustentação do governo”, Aloysio afirmou, em tom de ironia, que o colega provavelmente conheceu uma ata "nunca vista" de reunião dos tucanos. “Até onde eu sei, a decisão da Executiva Nacional do partido de apoiar o governo Temer nunca foi revogada”, insistiu ele, que é vice-presidente do PSDB. “Se o Padilha tiver ata de alguma reunião da qual eu não tenha participado, gostaria de saber. Talvez eu tenha cochilado”, provocou.

Aloysio participou nesta quinta do início de um encontro da Executiva e depois foi chamado ao Palácio do Planalto pelo presidente. Desde que Alckmin disse que, se dependesse dele, o PSDB nunca teria entrado na equipe de Temer, as relações do governador com o Palácio do Planalto azedaram. N sábado, 2, Temer conversará com Alckmin - potencial candidato do PSDB à Presidência - e há uma expectativa de que seja definido ali um roteiro para uma “saída negociada” do partido.

Aloysio permanecerá no Itamaraty, na “cota pessoal” de Temer, seja qual for a decisão do PSDB. O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, deve ser substituído pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) e Luislinda Valois (Direitos Humanos) também entregará o cargo.

“O PSDB não indicou os ministros. Quem indicou foi o presidente. Então, este não é um assunto que diga respeito à convenção do partido. Eu insisto: o PSDB vai romper com o governo com qual objetivo?  Para fazer o quê?”, perguntou o ministro das Relações Exteriores. “Minha preocupação é não haver a dispersão das forças que estão agrupadas em torno de um projeto reformista”, completou ele.

No Planalto, as últimas declarações de Alckmin - defendendo o desembarque - foram definidas por auxiliares de Temer como “um grave erro político”. Depois que Padilha elevou o tom, em reação às estocadas de Alckmin,  a ala governista do PSDB tenta “consertar” a situação e desfazer o mal-estar. O presidente está à procura de um candidato para defender o seu legado nas eleições de 2018 e quer reunir os partidos aliados em uma frente de centro-direita para enfrentar as possíveis chapas lideradas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de um lado, e pelo deputado Jair Bolsonaro (PSC), de outro.

+++ PMDB impõe condições para apoiar Alckmin

Temer combinou com Padilha uma estratégia para fazer um aceno aos partidos do Centrão - que têm criticado o PSDB e são fundamentais para a aprovação da reforma da Previdência -, e, ao mesmo tempo, dar um recado aos tucanos, mostrando que não está "refém" da decisão deles. “Mas quantos votos o PMDB vai dar à reforma da Previdência?”, questionou o líder do PSDB na Câmara, deputado Ricardo Tripoli (SP), horas depois de Padilha afirmar que o PSDB não está mais na base do governo. “E o DEM, o PSD, o PP e o PR, quantos votos vão dar? Na hora de indicar para cargos, que eles tanto gostam, ninguém pensa em reforma. Por que agora estão todos tão preocupados com o PSDB?”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.