1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cúpula da Rede reafirma apoio à cassação de Dilma e Temer via TSE

- Atualizado: 16 Janeiro 2016 | 19h 07

Partido da ex-senadora Marina Silva reafirmou posição contrária ao impeachment, mas quer o encaminhamento do processo no Tribunal Superior Eleitoral

Brasília - A cúpula da Rede Sustentabilidade, partido da ex-senadora e ex-presidenciável Marina Silva, está reunida neste fim de semana, em Brasília, discutindo a conjuntura política e econômica do País. A sigla reafirmou a posição contrária ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e de apoio à ação de cassação do mandato da presidente e do vice Michel Temer, via Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

"Estamos dando toda a força às investigações, mas a melhor forma de dar encaminhamento é o processo no TSE. Dilma e Temer são faces da mesma moeda", disse Marina ao Broadcast Político.

Apesar de não declarar apoio ao impeachment, Marina tem mantido um tom bastante crítico em relação à Dilma. No início do mês, ela declarou que a presidente não tinha mais a liderança política para liderar o País nem maioria no Congresso.

Ex-senadora Marina Silva se reúne com a cúpula do partido Rede Sustentabilidade para definir apoio a processo de cassação eleitoral da presidente e do vice
Ex-senadora Marina Silva se reúne com a cúpula do partido Rede Sustentabilidade para definir apoio a processo de cassação eleitoral da presidente e do vice

A ex-ministra não esconde a mágoa dos ataques que sofreu de Dilma na eleição de 2014. Naquele ano, ela apoiou o então candidato do PSDB, Aécio Neves, no segundo turno. Nas eleições presidenciais de 2018, Marina diz que ainda não sabe se será candidata, mas tem sido uma das favoritas nas pesquisas eleitorais.

O foco da reunião da Rede hoje - que contou com as presenças do líder da bancada na Câmara, deputado Alessandro Molon (RJ), e do senador Randolfe Rodrigues (AP) - foi a condução da política econômica do novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e as medidas de ajuste fiscal que foram patrocinadas pelo governo petista. O partido de Marina reiterou que não apoiará o retorno da CPMF. "Não se pode reduzir a carga tributária e não há condição de aumentar a carga", declarou Randolfe.

Os dirigentes da Rede avaliam que os primeiros movimentos da atual equipe econômica demonstram contradição no discurso do governo. Os "marineiros" criticam a posição de Barbosa, que "ora acena com o ajuste fiscal para o mercado, ora para a base social". "Está havendo pouca clareza, sinais contraditórios do novo ministro em relação à política econômica", criticou Bazileu Margarido, porta-voz do partido. "O governo está bipolar em relação à política econômica", concordou Randolfe.

Os dirigentes do partido voltam a se reunir neste domingo, dia 17, e, após o encontro, deverão conversar com a imprensa sobre o que foi debatido ao longo do fim de semana. (Daiene Cardoso e Isadora Peron)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX