Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Cunha tem até dez dias para se manifestar sobre decisões do Supremo

Depois do prazo dado ao peemedebista, o Ministério Público e Advocacia-Geral da União (AGU) também têm direito de se manifestar; trâmite pode fazer com que os ministros analisem as ações apenas em novembro, o que arrastaria as decisões sobre o impeachment

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2015 | 17h28

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tem até dez dias para se manifestar sobre as decisões dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki e Rosa Weber, que deferiram, nesta terça-feira, três liminares suspendendo o rito de tramitação de impeachment definido pelo presidente da Câmara. Na prática, a decisão impede que a oposição entre com recurso para levar a questão a plenário caso Cunha rejeite o pedido.

Com isso, o caso pode demorar para ser levado ao plenário do STF. Depois do prazo dado a Cunha, o Ministério Público e Advocacia-Geral da União (AGU) também têm direito de se manifestar. Este trâmite pode fazer com que os ministros analisem as ações apenas em novembro, o que arrastaria as decisões sobre o impeachment da presidente. 

Cunha declarou mais cedo que tem segurança no rito adotado e que a assessoria jurídica da Casa vai responder à manifestação do ministro Teori Zavascki. 

Para Cunha, a manifestação do ministro Zavascki se refere a rito futuro e isso não paralisa seu poder de decisão, ou seja, não muda "em nada" o processo. "Meu papel é deferir ou indeferir (o impeachment), essa é minha prerrogativa constitucional e isso não está em questão", afirmou. 

Mais conteúdo sobre:
impeachment Eduardo Cunha STF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.