Cunha reconhece que pode revogar rito de impeachment se STF demorar

Presidente da Câmara afirmou que 'é uma opção' revogar a questão de ordem combinada com a oposição para tentar o impedimento de Dilma

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

21 Outubro 2015 | 16h56

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reconheceu em público nesta quarta-feira, 21, que poderá revogar a questão de ordem em que estabeleceu o rito de impeachment da presidente Dilma Rousseff, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) demore a julgar os recursos apresentados por ele contra as liminares que barram o processo estabelecido pelo peemedebista para tramitação do pedido na Casa.

"É uma opção", reconheceu durante entrevista marcada por protestos contra ele. Como noticiou o Estado nesta quarta, a ideia de Cunha é revogar a questão de ordem para que as ações do STF percam seu objeto e levar a tramitação em frente baseado na Constituição de 1988 e na legislação que trata de crimes de responsabilidade.

Dessa forma, o presidente não estabelecerá novo rito, e a tramitação dos processos continuará como era antes, baseada na Constituição e pela lei número 1.070, de 1950. Na entrevista nesta tarde, Cunha informou que, após receber o novo pedido de afastamento de Dilma apresentado nesta quarta pela oposição, enviou a petição e o anexo para os órgãos técnicos da Câmara dos Deputados, para que emitam parecer sobre as peças.

Questionado sobre quando pretende anunciar se deferiu ou não o requerimento, o presidente da Câmara disse não poder estabelecer um prazo específico. "Vamos ter uma posição sobre impeachment no tempo devido", afirmou o peemedebista. O presidente da Câmara disse entender que somente atos praticados no atual mandato podem servir de justificativa para embasar o pedido de impeachment, embora tenha ponderado que há jurisprudência dizendo o contrário, ou seja, que erros cometidos em mandatos anteriores também podem justificar. Ele destacou que, embora esse seja um dos pontos a serem analisados pela equipe técnica, há outros requisitos que também devem ser preenchidos para que o pedido tenha validade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.