1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cunha nega constrangimento com discurso de Janot

- Atualizado: 01 Fevereiro 2016 | 21h 10

Presidente da Câmara teve de se sentar ao lado do procurador-geral da República, que o acusa de crimes na Operação Lava Jato, durante sessão solene no STF

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), negou constrangimento na sessão de abertura dos trabalhos do Judiciário na tarde desta segunda-feira, 1.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot (esq) e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot (esq) e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Questionado sobre eventual constrangimento diante do discurso do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o peemedebista negou. "A mim, nada. Estou representando a institucionalidade, representando a Casa. Apenas cumpri meu papel. Não vou interpretar palavras ou discurso de quem quer que seja", afirmou Cunha.

Acusador e acusado chegaram com cinco minutos de diferença no Supremo Tribunal Federal e dividiram a mesma antessala, no aguardo do início da sessão. Durante a cerimônia, sentaram-se lado a lado, mas não cruzaram olhares. Além disso, Janot não citou Cunha em seus cumprimentos ao iniciar discurso. 

"Enganam-se, de forma propositada e interpretam de forma distorcida, aqueles que questionam o nosso cerne. Da mesma forma que elementos podem conduzir nossa atuação ao oferecimento de denúncia, igualmente leva-nos a requerer o arquivamento", afirmou o procurador-geral da República. Ao lado de Cunha, disse que os "holofotes não serão desligados" e estão direcionados à garantia do cumprimento da ordem jurídica. "É isso que a sociedade espera do Ministério Público, ao qual a Constituição adjetivou de público. O que é público é de todos. Não é não pode ser de alguém. (...)  Por natureza, não compactuamos ou tergiversamos com o ilícito, com o autoritarismo. (...) Buscamos, simples e só, de forma clara e objetiva, a verdade dos fatos e não de factoides e o seu enquadramento jurídico. Sem evasivas, sem cortina de fumaça", disse Janot.

OAB. Cunha também minimizou o pedido apresentado nesta tarde pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que ele se afaste da presidência da Câmara. "A minha contenda com a OAB é antiga, todos conhecem", afirmou Cunha, citando que é contra "métodos" da OAB, como o exame a que bacharéis se submetem para tornarem-se advogados. "Não vou comentar. Eles não são Poder, são conselho de classe", disse o peemedebista.

Congresso. Cunha disse ainda não ter confirmação da presença da presidente Dilma Rousseff na sessão de reabertura do ano legislativo nesta terça-feira, 2. Ele afirmou que, caso a petista apareça, não a atacará em seu discurso, que será feito "de improviso" durante a sessão do Congresso. 

"Não seria deselegante de fazer qualquer tipo de palavra que possa ser considerada agressão ou ofensa. Não faz parte da minha natureza. Sou uma pessoa educada", disse Eduardo Cunha. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX