1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cunha já admite novo pedido de impeachment de Dilma caso atual seja rejeitado

- Atualizado: 15 Março 2016 | 19h 56

Segundo o presidente da Câmara, indicação de Lula para algum ministério pode motivar novo questionamento do mandato da presidente

BRASÍLIA - Aliados do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já começam a se movimentar para novas investidas contra o governo Dilma Rousseff. A ideia é que se o atual processo de impeachment da petista - que deve ser iniciado até o fim desta semana, logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar os recursos protocolados pela Casa sobre o tema - for rejeitado, um novo pedido de afastamento da presidente deve ser apresentado.

A interlocutores, Cunha já admitiu que poderá autorizar a abertura de um segundo pedido de impedimento de Dilma no futuro, caso o atual seja rejeitado pela Câmara por uma pequena diferença de votos. O peemedebista citou, inclusive, que a própria indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para compor algum ministério pode ser usada como motivação para um novo questionamento do mandato de Dilma, à medida em que pode ser considerada uma tentativa de atrapalhar as investigações da Lava Jato.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e a presidente Dilma Rousseff
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e a presidente Dilma Rousseff

Para descartar o risco de um segundo processo de impeachment, a presidente teria de conseguir a rejeição do pedido atual com maioria absoluta da Casa - ou seja, com o apoio de ao menos 257 deputados. "Ou ela consegue com uma boa margem de votos, ou vai continuar sangrando e pode ter um segundo pedido de impeachment", afirmou Cunha a aliados. Na presidência da Câmara há hoje pelo menos outros quatro pedidos de impeachment aguardando deliberação.

Em conversas reservadas, Cunha reconhece que Lula é um "animal político", com articulação política muito maior do que qualquer integrante do governo Dilma, mas avaliou que o ex-presidente não tem mais a mesma força para barrar o impeachment no Congresso. O fato de alguns senadores da base aliada terem saído do café com o ex-presidente antes de ele terminar sua fala, na semana passada, na residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), seria um indicador dessa perda de força.

O presidente da Câmara prevê que o atual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff deve ser analisado pelo plenário da Câmara dos Deputados logo após o feriado do Dia do Trabalhador, 1º de maio, ou seja, daqui a 45 dias. Cunha e a oposição apostam em manifestações contrárias ao governo nesse feriado para aumentar a pressão pró-impeachment. Segundo aliados, o peemedebista acredita hoje que o impeachment está "mais próximo de ser aprovado do que rejeitado" na Casa.

A oposição, que voltou a dialogar com o presidente da Câmara por causa do impeachment, já admite a possibilidade de apresentar novos pedidos de impedimento de Dilma, caso o atual seja rejeitado. Líderes opositores ponderam, no entanto, que o foco no momento é tentar liquidar o afastamento da petista logo com o pedido que está sendo discutido na Câmara e que tem por base as chamadas "pedaladas fiscais" praticadas pelo governo no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX