Assine o Estadão
assine

Política

Brasília

Cunha diz ter 'total' condição de presidir a Câmara mesmo se virar réu

Supremo deve decidir na próxima quarta se aceita denúncia contra peemedebista acusado de corrupção e lavagem de dinheiro

0

Daniel Carvalho,
O Estado de S. Paulo

25 Fevereiro 2016 | 17h10

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que, mesmo que o Supremo Tribunal Federal (STF) receba a denúncia contra ele na Lava Jato, na próxima quarta-feira, 2 de março, permanecerá no comando da Casa.

Questionado se ainda teria condições de presidir a Câmara caso vire réu, respondeu com apenas uma palavra: "Total".

Cunha negou que o recebimento da denúncia o enfraqueça politicamente na Casa e lembrou já ter sido réu em outra ação. "Já aconteceu comigo de eu ter sido declarado réu e depois fui absolvido por unanimidade", afirmou o parlamentar. 

O presidente da Casa foi denunciado pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, por suspeita de de receber ao menos US$ 5 milhões em propinas referentes a dois contratos de afretamento de navios-sonda da Petrobrás em 2006 e 2007 pela diretoria Internacional da estatal - cota do PMDB no esquema. O peemedebista é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro.

Além disso, o presidente da Câmara já teve bloqueados pelo Supremo cerca de R$ 9,6 milhões  (2,4 milhões de francos suíços) mantidos em contas não declaradas por ele na Suíça. A medida faz parte de outra investigação contra Cunha, sua esposa e sua filha a partir de informações encaminhadas pelo Ministério Público da Suíça sobre as contas mantidas por ele e seus familiares no exterior.

Documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça ao Brasil comprovam que um negócio de US$ 34,5 milhões fechado pela Petrobrás em 2011, no Benin, na África, serviu para irrigar as quatro contas no país europeu que têm como beneficiários Cunha, e sua mulher, Cláudia Cordeiro Cruz. O dinheiro destas contas ainda foi utilizado para o pagamento de despesas pessoas da família de Cunha, como revelou a documentação encaminhada pela Suíça.

A polêmica envolvendo o dinheiro no exterior também deu origem a um processo de cassação contra o peemedebista que se arrasta desde o ano passado no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Cunha é acusado de quebra de decoro ao afirmar na CPI da Petrobrás que não possuía contas na Suíça. Após várias manobras de seus aliados, contudo, o processo que pode levar à cassação do peemedebista ainda não saiu da estaca zero.

Comentários