Cunha diz ao STF que rito de impeachment é semelhante ao de Collor

Cunha diz ao STF que rito de impeachment é semelhante ao de Collor

Presidente da Câmara apresentou três recursos contra três liminares concedidas pelo STF suspendendo regras de tramitação para a abertura de processo de impedimento da presidente

Lorenna Rodrigues, O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2015 | 21h12

Brasília- O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse, em recurso apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira, 19, que o rito adotado por ele para os pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff segue regras do regimento da Casa, que não traz nenhuma inovação e que é semelhante ao adotado no processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. 

"Se prevalecer a tese dos reclamantes, ainda que seja eventualmente induvidosos o cometimento de crime de responsabilidade por parte da presidente da República, não haverá qualquer possibilidade de punição, diante da suposta ausência de lei específica", afirma, em um dos recursos. 

Cunha acusa ainda o STF de estar interferindo no Poder Legislativo. O deputado apresentou três recursos contra três liminares concedidas pelo STF suspendendo regras de tramitação para a abertura de processo de impeachment da presidente. Nos recursos, Cunha alega que a presidência da Câmara fez apenas "explicitar e sistematizar" regras aplicáveis do Regimento Interno da Casa. 

O deputado afirma que o então presidente da Câmara dos Deputados à época do processo de impeachment de Collor, Ibsen Pinheiro, também fixou as regras de procedimento monocraticamente, também em resposta à questão de ordem e que, caso o STF decida contra o rito adotado por Cunha, o impeachment do ex-presidente seria então nulo.

"À época, não houve qualquer alegação de autoritarismo ou mesmo que o procedimento fixado dessa forma teria sido inusitado", continua. "As regras adotadas nesse caso e naquele outro são praticamente as mesmas". 

Interferência. O presidente da Câmara acusa a decisão do STF de ser uma "nítida interferência do Poder Judiciário nos trâmites internos do Poder Legislativo. Em um dos recursos, afirma que a decisão do STF importa em "flagrante violação ao princípio da separação dos poderes" e em "patente ofensiva às prerrogativas do Poder Legislativo".

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Cunha impeachment STF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.