DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Em nota, Cunha reitera depoimento à CPI em que negou ter conta bancária no exterior

'O presidente (da Câmara) desconhece o teor dos fatos veiculados e não tecerá comentários sem ter acesso ao conteúdo real do que vem sendo divulgado', afirma o documento

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2015 | 13h41

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), divulgou nesta sexta-feira, 2, nota na qual rechaça informações de que teria empresas de fachada em paraísos fiscais para esconder seu nome em contas registradas na Suíça. O peemedebista disse continuar "absolutamente tranquilo" e reiterou o que havia dito em março à CPI da Petrobrás, quando negou ter contas no exterior.

"O presidente (da Câmara) desconhece o teor dos fatos veiculados e não tecerá comentários sem ter acesso ao conteúdo real do que vem sendo divulgado. Assim que tiver ciência, por meio de seus advogados, o presidente se manifestará", diz a nota divulgada pela assessoria de imprensa de Cunha. "O presidente continua absolutamente tranquilo, realizando seu trabalho com a mesma lisura e independência, confiando plenamente na isenção e imparcialidade do Supremo Tribunal Federal", completa.

A informação de que Cunha teria empresas de fachada foi repassada pelo Ministério Público suíço à Procuradoria-Geral da República. Autos de uma investigação contra o peemedebista foram encaminhados anteontem para as autoridades brasileiras. A Suíça já congelou cerca de US$ 5 milhões em quatro contas bancárias cujos beneficiários são o presidente da Câmara e seus parentes. Auditoria interna do banco que guarda esses valores - cujo nome não foi divulgado - foi responsável pelo informe que levou à abertura da ação criminal contra Cunha no país europeu por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Cunha disse ainda que reitera o seu depoimento à CPI da Petrobras no dia 12 de março deste ano, quando assegurou que não tinha contas no exterior. "Não tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que não seja a conta que está declarada no meu Imposto de Renda", disse na ocasião, quando prestou um depoimento espontâneo. Ontem, Cunha foi alvo de questionamentos de parlamentares de PSOL, PT, PSB, PMDB e Rede Sustentabilidade, que alegaram que o presidente teria mentido à CPI.

O grupo de deputados apresentou um requerimento em que pede a Cunha informações sobre eventuais contas dele e de familiares. O pedido também será apresentado à PGR e, caso o peemedebista não se manifeste até a próxima semana, os congressistas entregarão ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara uma solicitação para que o presidente da Casa exponha os dados bancários e fiscais.

Coletiva. O presidente da Câmara reafirmou, durante coletiva de imprensa, nesta sexta, que não tomou conhecimento sobre o teor das denúncias contra ele. "Minha nota reflete que não tomei conhecimento de absolutamente nada. O que eu tinha que falar sobre isso já falei na nota", disse. "A minha nota está muito clara", completou.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato Eduardo Cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.