1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Crivella provoca gargalhadas da plateia em debate

TIAGO ROGERO E WILSON TOSTA - Estadão Conteúdo

20 Agosto 2014 | 20h 09

Candidato do PRB ao governo do Estado do Rio, o senador Marcelo Crivella arrancou gargalhadas da plateia no debate da Band entre os concorrentes ao Palácio Guanabara, na noite de ontem, ao responder pergunta de internauta sobre a legalização da maconha. Segundo Crivella, países que adotaram a política retrocederam. "A Holanda, por exemplo, teve empresas que foram fechadas porque seus funcionários estavam usando drogas, como a Fokker", disse, provocando as primeiras risadas.

Enquanto o mediador Sérgio Costa pedia silêncio, Crivella continuou, referindo-se à empresa holandesa: "E os aviões começaram a ter problemas, inclusive no Brasil". A plateia voltou a rir e o mediador novamente teve de intervir: "Senhores, eu renovo o apelo para que façam silêncio na plateia, por favor". Em meio às risadas e aos pedidos do mediador, o candidato do PRB concluiu: "Isso não constrói um país". Procurada, a Fokker não retornou ao contato da reportagem.

Num debate morno, travado pelas regras, marcado por polêmicas pontuais, mas com algum humor involuntário, os postulantes ao Guanabara trocaram provocações durante duas horas e meia e às vezes fugiram aos temas das perguntas. Nesta quarta-feira, no primeiro dia de campanha no rádio e na TV, nada de presidenciáveis nas propagandas dos candidatos ao governo fluminense. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apareceu no programa de Lindbergh Farias (PT). A presidente Dilma Rousseff, não. Os candidatos evitaram ataques e críticas, e procuraram se apresentar para os eleitores - imagens em casa, com as famílias, e de suas trajetórias políticas e de vida.

Já entre os concorrentes ao Senado, foram citados Dilma, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), em homenagem póstuma. Aécio apareceu na propaganda de Cesar Maia (DEM); Dilma, na de Carlos Lupi (PDT). Líder nas pesquisas de intenção de voto, Romário (PSB) exibiu homenagem a Campos e repetiu a frase "Não vamos desistir do Brasil". Marina Silva não apareceu.

Candidato a governador com a maior parcela de tempo, 8m57s, Luiz Fernando Pezão (PMDB) não citou Dilma, Lula ou Aécio, que tem apoiado no Rio, na aliança chamada de "Aezão". Contou com depoimento do antecessor Sérgio Cabral (PMDB), que renunciou este ano. Candidato pelo PR, Anthony Garotinho foi o único a criticar diretamente a atual gestão: "Só se preocupa com propaganda, marketing e maquiagem".

Eleições 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo