Criador de Dilma Bolada visita presidente em Brasília

Estudante de publicidade Jeferson Monteiro negou que tenha recebido dinheiro do PT durante a campanha eleitoral

Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2014 | 18h33

Brasília - O estudante de publicidade Jeferson Monteiro, criador do perfil Dilma Bolada, disse nesta terça-feira, 28, que não recebeu dinheiro da campanha do Partido dos Trabalhadores durante o período eleitoral. O estudante falou com jornalistas na portaria do Palácio da Alvorada, antes de cumprimentar pessoalmente a presidente Dilma Rousseff pela reeleição.

Em julho, Monteiro desativou o perfil de mais de 1,5 milhão de seguidores nas redes sociais para avaliar se valia a pena ou não ser acusado de favorecer a petista e virar alvo de processos judiciais durante a campanha. As postagens foram retomadas depois de seis dias e permaneceram no período eleitoral.

"Acabou que não se chegou a nenhum consenso, não se concretizou (o acordo com a campanha)", disse o estudante. "O porquê (de não ter acordo) não vem ao caso, mas aconteceu tudo que tinha que acontecer, aconteceu da forma que deveria ocorrer."

Questionado pelo Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, se não tinha recebido nenhum dinheiro do PT durante a campanha eleitoral, Monteiro respondeu, incorporando um dos típicos cacoetes de Dilma Rousseff: "Não, querido. Acabei de comprar uma passagem (de avião de Brasília para o Rio de Janeiro) por R$ 65 da Avianca, um preço ótimo."

O estudante disse que a internet desempenhou um papel fundamental nas últimas eleições e afirmou que pretende trabalhar na área de comunicação. "Não há melhor currículo que esse, sobretudo com o resultado vitorioso, para poder me capacitar para trabalhar com qualquer pessoa ou com qualquer partido, obviamente seria com o PT", avaliou.

Vaga. Indagado sobre a vaga aberta no Ministério da Fazenda com a saída já anunciada de Guido Mantega no segundo mandato de Dilma, o estudante respondeu que o sucessor do atual ministro será uma pessoa mais bem capacitada que o criador de Dilma Bolada. "A minha pretensão é realmente trabalhar, futuramente quem sabe ter a minha própria agência."

Sobre o que se pode esperar do perfil Dilma Bolada no segundo mandato, Monteiro disse que a tendência é que, nos próximos dias, a frequência das postagens se diminua. "Até onde vai, eu não sei. Eu estava dormindo quatro, três horas por dia, agora não sei, passou a eleição, agora o assunto vai ser o que for surgindo", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.