Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

CPI mista da JBS aprova quebra de sigilos de Miller e de executivos da JBS

Comissão também aprovou levantamento detalhado de todos os empréstimos feitos pelo BNDES às empresas do grupo J&F, além de operações de câmbio feito pelo grupo

Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2017 | 17h24

BRASÍLIA - Por unanimidade, a CPI mista da JBS aprovou nesta terça-feira, 26, requerimentos em que solicitam a quebra de sigilos telefônicos dos executivos da empresa Joesley Batista, Ricardo Saud e Francisco de Assis e Silva, além dos dados referentes ao ex-procurador Marcello Miller. 

No caso do ex-procurador, também foi aprovado pedido para quebrar seu sigilo bancário e de mensagens de um endereço de e-mail pessoal.

A CPMI tem como um dos seus objetivos investigar irregularidades na delação premiada de executivos do grupo J&F, rescindido após as suspeitas de que Miller orientou a delação antes de o acordo ser firmado. Nos bastidores, porém, governistas pretende usar a comissão para desqualificar as acusações dos delatores, que implicam diretamente o presidente Michel Temer.

Na lista de requerimentos que tratam de quebra de sigilo aprovados hoje estão ainda o levantamento detalhado de todos os empréstimos feitos pelo BNDES às empresas do grupo J&F, além de operações de câmbio feito pelo grupo.

Os dados, segundo integrantes da CPMI, servirão para embasar os trabalhos da comissão. Os pedidos de quebra de sigilo foram aprovados sem contestações, nem mesmo da oposição.  

A única ressalva, feita pelo deputado Delegado Francischini (SD-PR), foi de que a quebra de sigilo telefônico de Miller fosse ampliado. O pedido original solicitava dados a partir de janeiro de 2017.

Diante da possibilidade de, segundo Francischini, Miller poder ter orientado delações anteriores, o pedido foi apliado para janeiro de 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.