1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Correção: Jorge: coligação de Marina causa estranheza

SUZANA INHESTA - Estadão Conteúdo

09 Agosto 2014 | 18h 29

A nota enviada anteriormente contém duas incorreções. Ao contrário do informado, o candidato à Presidência da República pelo Partido Verde (PV), Eduardo Jorge, propôs a criação do Ministério dos Direitos Humanos, Gênero, Nações Indígenas e Reparação das Sequelas da Escravidão, e não o corte da pasta. Ele também fez uma referência à Suécia, e não à Suíça, ao afirmar: "Sugerimos também que os vereadores não ganhem salário, como é feito na Suécia", disse. Segue o texto corrigido:

O candidato à Presidência da República pelo Partido Verde (PV), Eduardo Jorge, fez nesta sexta-feira sua primeira agenda de campanha na capital mineira. À imprensa, apresentou suas principais propostas e comentou a relação com a candidata a vice-presidente pelo PSB, Marina Silva. "Estar junto com Marina seria muito importante", disse o candidato.

Segundo ele, quando Marina se lançou candidata à Presidência pelo PV, em 2010, o partido "achou maravilhoso", mas houve dois tropeços. O primeiro, quando ela e o partido se declararam "neutros" no segundo turno. "Eu discordei. A questão não é apoiar A ou B, é analisar quem se aproxima das ideias do partido e indicar um voto para o seu eleitor", disse.

O segundo tropeço, para o médico sanitarista, foi a briga com a direção do PV. "Foi uma disputa pelo pequeno poder e aí ela montou um partido com a cara dela. De um lado não é bom, porque um partido tem de ser heterogêneo. Mas foi uma pena não ter conseguido registro a tempo", afirmou. "Só que a coligação com o PSB causou estranheza a muita gente, porque não existe lugar mais tradicional que o PSB ante mesmo o próprio PT". Apesar das críticas, Eduardo Jorge desejou "boa sorte" à candidata a vice na chapa de Eduardo Campos (PSB). "Fazer aliança é melhor do que ficar de fora das eleições. Mas essa nova relação (Marina e PSB) não será fácil", ressaltou.

Jorge foi recepcionado pelo ambientalista Apolo Heringer e almoçou com ele no restaurante Reciclo, espaço cultural da Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Material Reaproveitável do Estado (Asmare), no bairro Lourdes. Depois, seguiu para a sede do PV estadual para conversar com jornalistas e militantes. Iria então ao Café Nice, no centro, para tomar o tradicional café de início de campanha, mas cancelou devido ao horário apertado para seu voo de volta a São Paulo.

Cortes no Estado

O candidato defendeu a redução dos atuais 39 Ministérios para 14, e propôs o criação do Ministério dos Direitos Humanos, Gênero, Nações Indígenas e Reparação das Sequelas da Escravidão. "Eles (os outros candidatos à Presidência) levaram a questão porque leram aqui", brincou, mostrando uma cópia das "Diretrizes programáticas para o PV 2014". Segundo ele, o documento está no site desde março e detalha a proposta da redução das atuais pastas.

Eduardo Jorge também defende o parlamentarismo e o voto facultativo e distrital misto. "Quero reduzir radicalmente os gastos da Câmara e do Senado. Para que um senador precisa de 40 assessores? Um meio é fundir os dois órgãos. Economizará recursos e tempo e os recursos podem ser aplicados na saúde e educação", explicou, dizendo que o modelo pode ser replicado na esfera estadual. "Sugerimos também que os vereadores não ganhem salário, como é feito na Suécia", disse.

Temas "órfãos"

Eduardo Jorge afirmou que os atuais candidatos não querem se posicionar sobre aborto, união homossexual e drogas - chamados por de temas "órfãos" - porque "falam o que os marqueteiros mandam". "Isso é liderança política? Não vejo essa coragem de falar sobre os assuntos em pessoas bem ilustradas como essas. Não acho que essas pessoas pensam diferente do que pensamos", declarou. "O que me atrapalha em falar sobre os temas? Nada. O comportamento deles (adversários) é preconceito, discriminação e dogmatismo. O Estado é laico", completou.

O candidato reiterou que o PV defende a legalização com moderação do uso de drogas psicoativas ilegais; a ampliação da oferta do planejamento familiar com a descriminalização do aborto, mas com a meta de reduzir a prática, e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. "Reconhecemos o que foi feito nos outros governos. O PV não é um partido destrutivo, mas queremos fazer diferente", declarou. "Quero ajudar o Brasil a decidir as eleições em segundo turno. Se não estivermos na segunda parte do pleito, pelo menos levaremos a influência e a consciência na decisão do eleitor", completou.

Eleições 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo