1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Corpo do coronel Malhães é enterrado em Nova Iguaçu

THAISE CONSTANCIO - Agência Estado

26 Abril 2014 | 17h 21

Menos de 50 pessoas compareceram ao enterro do coronel da reserva do Exército Paulo Malhães, na tarde deste sábado, 26, no cemitério municipal de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A Guia de Sepultamento de Malhães aponta como causa da morte "edema pulmonar, isquemia do miocárdio, miocardiopatia hipertrófica e evolução de estado mórbido (doença)". A Polícia Civil investiga a possibilidade de a morte ter sido provocada por asfixia, causada por três assaltantes que invadiram o sítio onde o militar morava, em Marpicu na zona rural do município, na Baixada Fluminense.

Mais velha dos cinco filhos do coronel, Karla Malhães, afirmou que o pai tinha alguns problemas de saúde e inclusive era hipertenso "o que é normal para a idade", destacou. Na última quinta-feira, 24, quando foi encontrado no sítio em que morava com a mulher Cristina Batista Malhães, o corpo de Malhães estava de bruços, com o rosto contra o travesseiro e apresentava sinais de cianose, característicos de sufocamento. Há um mês, Malhães deu depoimentos nas Comissões da Verdade Nacional e do Rio, nos quais assumiu ter torturado, assassinado e sumido com corpos de opositores da ditadura militar.

Karla disse que a família não tem acompanhado o andamento das investigações conduzidas pelo delegado adjunto da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) Fábio Salvadoretti. As principais linhas de investigação são homicídio por vingança e latrocínio (roubo seguido de morte). A hipótese de que a motivação da morte tenha sido as declarações do coronel à Comissão da Verdade, em abril, não foi descartada.

"Não pensamos em nada disso (investigação). Isso é com a polícia. Estamos nos despedindo de nosso pai". Ela disse que os filhos não sabiam do papel exercido pelo pai durante a ditadura. "Para nós ele era apenas pai. E um bom pai. Para vocês, era um coronel da ditadura. É tudo muito doloroso", acrescentou a filha.

Irmão mais novo de Karla, Paulo Malhães Junior afirmou que o pai nunca falou sobre possíveis ameaças. "(Ele) não chegou a comentar nada. Não sabemos de nada. Estamos tão perdidos quanto vocês (sobre as motivações do assassinato)". O bairro de Marapicu, onde o coronel morava, é considerado área de risco porque é disputado por várias facções criminosas.