EFE/Silvio Avila
EFE/Silvio Avila

Corpo de Teori Zavascki é enterrado em Porto Alegre

Teori morreu na quinta-feira, 19, em acidente aéreo em Paraty; velório teve a presença de políticos e autoridades

Álvaro Campos, Ricardo Galhardo e Beatriz Bull, Enviados especiais a Porto Alegre

21 Janeiro 2017 | 19h07

O corpo do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki foi enterrado por volta das 18h15 deste sábado no cemitério Jardim da Paz, na zona leste de Porto Alegre. Emocionados, os filhos não contiveram o choro. O caixão desceu ao túmulo sob os toques de clarin da guarda de honra do Regimento Osório do Exército e uma salva de palmas dos presentes. A missa foi realizada pelo arcebispo de Porto Alegre, Jaime Spengler.

Teori morreu na quinta-feira, 19, em acidente aéreo em Paraty. O ministro, de 68 anos, estava em férias e viajava para a cidade no litoral do Rio com o empresário Carlos Alberto Figueiras, de 69 anos, dono da rede de hotéis Emiliano, a massoterapeuta Maíra Pana, de 23 anos, a mãe dela, Maria Hilda Panas, de 55, e o piloto, Osmar Rodrigues, de 56 anos. Ninguém sobreviveu.

O velório do ministro, em Porto Alegre, atraiu desde integrantes de movimentos por moradia do Acre e expoentes do mundo jurídico até o presidente Michel Temer e integrantes de governos petistas, como o ex-ministro da Justiça e ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro.

“Ele tomou muitas decisões favoráveis aos movimentos sociais de Brasília e do Rio Grande do Sul”, disse Francisco Rafael Lopes e Silva, da Associação de Luta pela Moradia do Acre, que participa do Fórum Social Mundial de Luta em Porto Alegre e aproveitou a viagem para prestar homenagem ao ministro.

Silva estava no primeiro grupo de dez pessoas que entrou no plenário do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) para o velório, que foi aberto para o público às 11 horas.

A família de Teori passou a noite à espera do corpo, mas a transferência para a capital gaúcha, aguardada para a madrugada, só ocorreu de manhã. Segundo funcionários do TRF-4, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, ficou com a família durante toda a madrugada.

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, foi uma das primeiras autoridades a chegar. Em rápido pronunciamento à imprensa, evitou temas polêmicos e disse que foi prestar sua homenagem. “Ele foi um verdadeiro herói”, afirmou. Teori morreu em um acidente aéreo na quinta-feira, em Paraty (RJ).

O ministro Dias Toffoli, colega de Zavascki no STF, também driblou os temas espinhosos. “É uma perda pessoal que nos abala muito. Eu vim dar um beijo em um grande amigo.” Prefeito de Faxinal dos Guedes, Gilberto Angelo Lazzare (PMDB) levou ao velório uma bandeira da cidade natal de Teori e uma flâmula do Itagiba, time de futebol fundado pelo pai do ministro.

Temer chegou ao velório no início da tarde, após ter pousado na base aérea de Canoas. A cerimônia ocorreu na sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. O presidente da República viajou acompanhado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e do ministro das Relações Exteriores, José Serra.

Mais conteúdo sobre:
Acidente Aéreo Teori Zavascki STF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.