1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Corpo de Sérgio Guerra é cremado em PE

Atualizado às 19h50 - Pereira Junior e Marcela Balbino, especial para o Estado

07 Março 2014 | 10h 54

Deputado e ex-presidente nacional do PSDB morreu nessa quinta-feira, aos 66 anos

Recife - O corpo do deputado federal e ex-presidente nacional do PSDB Sérgio Guerra foi velado na Assembleia Legislativa de Pernambuco, nesta sexta-feira. Em seguida, foi levado para o Cemitério Morada da Paz, onde aconteceu uma missa solene. Por volta das 18h, seguiu para o crematório, em uma cerimônia reservada para a família e os amigos mais próximos. Sobre o caixão foram colocadas as bandeiras de Pernambuco e do Brasil.

Sérgio Guerra morreu aos 66 anos, nessa quinta, 6, em decorrência de uma infecção pulmonar. Ele estava internado há 15 dias no hispital Sírio-libanês para tratamento de um câncer no pulmão. 

O corpo de Sérgio Guerra chegou ao Recife por volta das 6h30 da manhã. Aberto ao público a partir das 11 horas, o velório foi acompanhado pela família, amigos mais próximos e lideranças políticas, entre eles dois prováveis candidatos à Presidência nas eleições deste ano: o tucano Aécio Neves e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Também estavam presentes o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o senador Aloizio Nunes Ferreira (SP) e o ex-governador de São Paulo José Serra. A presidente Dilma Rousseff enviou como representante o ministro dos Esportes Aldo Rebello.

"Perde a política brasileira como um todo. Sérgio Guerra tinha uma carreira de absoluta coerência em relação aquilo que pensava ser importante para o Brasil e tinha uma característica que prezo muito que é o destemor e a grande capacidade de aglutinação", destacou Aécio. Eduardo Campos ressaltou a capacidade de Guerra em dialogar tanto com os aliados quanto com os adversários.

Sérgio Guerra era pecuarista, formado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Sua carreira política começou ainda nos anos 70 como dirigente do movimento estudantil. Em 1981, filiou-se ao PMDB e depois migrou para o PDT.

Em 1982 foi eleito deputado estadual e reeleito em 1986, já pelo PDT. Em 1989, foi para o PSB e passou a trabalhar com o então governador de Pernambuco, Miguel Arraes. Foi ainda senador, e estava em seu quarto mandato na Câmara.

Em 1999, filiou-se ao PSDB, partido que presidiu entre 2007 e 2013. Entre 2006 e 2010, atuou na coordenação das campanhas presidenciais de Geraldo Alckmin e de José Serra. Desde o ano passado, ele presidia o Instituto Teotônio Vilela (ITV), ligado à legenda.