1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Corpo de Paulo Malhães é enterrado na Baixada Fluminense

Thaise Constâncio - O Estado de S. Paulo

26 Abril 2014 | 17h 08

Guia de Sepultamento aponta como causa da morte 'edema pulmonar, isquemia do miocárdio, miocardiopatia hipertrófica e evolução de estado mórbido'

RIO - Menos de 50 pessoas compareceram ao enterro do coronel da reserva do Exército Paulo Malhães, na tarde deste sábado, 26, no cemitério municipal de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A Guia de Sepultamento de Malhães aponta como causa da morte "edema pulmonar, isquemia do miocárdio, miocardiopatia hipertrófica e evolução de estado mórbido (doença)". A Polícia Civil investiga a possibilidade de a morte ter sido provocada por asfixia, causada por três assaltantes que invadiram o sítio onde o militar morava, em Marpicu na zona rural do município, na Baixada Fluminense.

Mais velha dos cinco filhos do coronel, Karla Malhães, afirmou que o pai tinha alguns problemas de saúde e inclusive era hipertenso "o que é normal para a idade", destacou. Na quinta-feira, 24, quando foi encontrado no sítio em que morava com a mulher Cristina Batista Malhães, o corpo de Malhães estava de bruços, com o rosto contra o travesseiro e apresentava sinais de cianose, característicos de sufocamento. Hà um mês, Malhães deu depoimentos nas Comissões da Verdade Nacional e do Rio, nos quais assumiu ter torturado, assassinado e sumido com corpos de opositores da ditadura civil-militar de 1964-85.

Karla disse que a família não tem acompanhado o andamento das investigações conduzidas pelo delegado-adjunto da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Fábio Salvadoretti. As principais linhas de investigação são homicídio por vingança e latrocínio (roubo seguido de morte). A hipótese de que a motivação da morte tenha sido as declarações do coronel à Comissão da Verdade, em abril, não foi descartada.

"Não pensamos em nada disso (investigação). Isso é com a polícia. Estamos nos despedindo de nosso pai". Ela disse que os filhos não sabiam do papel exercido pelo pai durante a ditadura. "Para nós ele era apenas pai. E um bom pai. Para vocês, era um coronel da ditadura. É tudo muito doloroso", acrescentou a filha.

Irmão mais novo de Karla, Paulo Malhães Junior afirmou que o pai nunca falou sobre possíveis ameaças. "(Ele) não chegou a comentar nada. Não sabemos de nada. Estamos tão perdidos quanto vocês (sobre as motivações do assassinato)". O bairro de Marapicu, onde o coronel morava, é considerado área de risco porque é disputado por várias facções criminosas.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo