1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Coronel é convocado pela Comissão da Verdade

CLARISSA THOMÉ - Agência Estado

24 Março 2014 | 19h 22

O coronel reformado Paulo Malhães, que assumiu ter sido o militar responsável por desaparecer com o corpo do ex-deputado federal Rubens Paiva, foi convocado pela Comissão Nacional da Verdade para depor na terça-feira (25) em audiência pública sobre a Casa da Morte, centro clandestino de cárcere e tortura, que funcionou em Petrópolis, na Região Serrana, na década de 1970. Inês Etienne Romeu, única sobrevivente da Casa da Morte, também estará presente à audiência.

Malhães, que tem hoje 76 anos, foi convocado depois que trechos de seu depoimento à Comissão Estadual da Verdade terem sido divulgados. Será ouvido pela comissão nacional por ser "autor de graves violações de direitos humanos na Casa da Morte". Nas 17 horas em que falou ao jornalista Marcelo Auler e à advogada Nadine Borges, o coronel reformado detalhou o método adotado para impedir que o corpo das vítimas da Casa da Morte fossem identificadas: dentes e dedos das mãos eram retirados. O corpo ganhava um talho no ventre, para impedir que emergisse. Por fim, era embalado e jogado no rio, com quantidade de pedra calculada para evitar que o corpo flutuasse, e também não permitir que chegasse ao fundo. "Jamais se enterra um cara que você matou. Se matar um cara, não enterro. Há outra solução para mandar ele embora", disse, ao explicar seu método no depoimento obtido pelo jornal O Globo. "Por isso, não acredito que, em sã consciência, alguém ainda pense em achar um corpo".

A CNV iniciou as investigações sobre a Casa da Morte a partir do depoimento de Inês, que passou 96 dias em cativeiro. Nesse período, foi torturada em sessões de espancamento, eletrochoque e violência sexual. Ela conta que era obrigada a fazer trabalhos domésticos nua. Também foi deixada ao relento, sem roupas, sobre o cimento molhado, durante o inverno. Foi libertada por ter se comprometido a atuar a serviço da ditadura infiltrada na organização que integrava, a VAR-Palmares.

Malhães foi intimado pela Polícia Federal e é obrigado a comparecer à audiência. Ele, no entanto, pode se recusar a responder as perguntas dos integrantes da comissão, já que ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo. Se ele faltar, pode ser conduzido por agentes federais e também responder pelo crime de desobediência.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo