Coordenador de campanha de Dilma comemora resultado de pesquisas

José Eduardo Cardozo afirmou ver com otimismo a evolução da candidatura da petista

Anne Warth, Agência Estado

26 Julho 2010 | 13h32

SÃO PAULO - O deputado federal José Eduardo Cardozo (PT-SP), um dos coordenadores da campanha da candidata do PT, Dilma Rousseff, à Presidência da República, avaliou nesta segunda-feira, 26, que os resultados das últimas pesquisas de intenção de voto Vox Populi e Datafolha foram excelentes para a ex-ministra. Na Vox Populi, divulgada na última sexta-feira, 23, Dilma está com 41%, oito pontos à frente de seu principal adversário José Serra (PSDB). Na pesquisa Datafolha, divulgada no último sábado, 24, Dilma e Serra estão em empate técnico, respectivamente com 36% e 37%.

 

Veja também:

Brasil 'é quase um país clandestino', diz Cardozo

 

"São dois institutos de pesquisa com credibilidade. Há uma discrepância muito grande e seguramente alguém está errado. Mas mesmo a pesquisa que menos nos favorece, do ponto de vista do resultado, é excelente para nós", disse ele após participar de um debate sobre saneamento básico promovido pelo Instituto Trata Brasil na capital paulista.

 

De acordo com Cardozo, um dos melhores indicadores das pesquisas é a votação espontânea, na qual os nomes dos candidatos não são apresentados aos eleitores. Nesse tipo de levantamento, Dilma está à frente de Serra com 21% enquanto o tucano aparece com 16% na última pesquisa Datafolha. "A votação espontânea é um indicador de crescimento futuro e Dilma está bem na frente de Serra. Temos também um porcentual dos que ainda votariam em Lula (4%) e uma parcela de pessoas que dizem que votariam no candidato do presidente, seja ele qual for, e que não estão computados como votos da Dilma", explicou.

 

Diante deste cenário, Cardozo afirmou ver com otimismo a evolução da candidatura de Dilma. De acordo com ele, no entanto, os ataques dos adversários vão se intensificar. "Talvez por isso nossos adversários, que começaram com a política de não falar mal, agora se ocupam de falas muito ruins, ao meu ver, do ponto de vista do que é um bom debate eleitoral. Quando você parte para fazer acusações levianas e a desqualificação do outro, é porque você não tem argumentos políticos e quer fugir do verdadeiro debate pautado por políticas públicas e na comparação entre o que foi o governo tucano e o nosso", afirmou.

 

Um dos exemplos citados por Cardozo foram as críticas do candidato a vice na chapa de Serra, Índio da Costa, que acusou o PT de ligação com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). "Foram críticas absurdas e infundadas da parte do candidato a vice da outra chapa, depois endossadas, com espanto, pelo candidato à Presidência da República", disse ele referindo-se a José Serra. "Situações desse tipo vão se repetir. Não vou dizer que será uma campanha tranquila e fácil. Pelo contrário, será uma campanha dura e não podemos menosprezar os adversários. Agora, que o clima está muito favorável a nós, está."

Mais conteúdo sobre:
Cardozo Dilma PT debate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.