1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Continuarei escrevendo que acredito na honestidade da presidente Dilma', diz Kátia Abreu

- Atualizado: 21 Março 2016 | 12h 46

Ministra da Agricultura divulgou mensagem de apoio à petista em seu Twitter e afirmou ainda que 'pedalada não é argumento'

A ministra da Agricultura Kátia Abreu
A ministra da Agricultura Kátia Abreu

São Paulo - A ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB-TO), defendeu a presidente Dilma Rousseff em sua conta no Twitter. "Continuarei escrevendo que acredito na honestidade da presidente Dilma. Até que me provem o contrário. Pedalada não é argumento", afirmou Kátia, assinalando que não aceitará "patrulha".

"Enquanto for ministra continuarei trabalhando pelo Agro. O Brasil não pode parar", escreveu a ministra na rede social. "As pessoas produzem, precisam vender os produtos, industrializar, exportar, precisam de crédito, estradas. Continuarei cumprindo meu dever."

Na semana passada, surgiram rumores de que a ministra teria decidido sair do governo antes mesmo da decisão oficial do PMDB, prevista para o fim do mês. Fontes disseram ao Broadcast que Kátia Abreu não digeriu a entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no staff presidencial, como ministro da Casa Civil. Na sexta-feira, ela comentou no Twitter que não mencionou "este assunto com ninguém". "São apenas ilações."

Nesta segunda-feira, a ministra disse que espera que a Justiça continue fazendo o seu trabalho. "Confio nisto. Tudo será esclarecido e os culpados punidos." Ela criticou as manifestações de ódio na internet. "Justiça e a urgência nos julgamentos têm que ser para todos."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX