1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Consenso com TCU sobre acordo de leniência é 'plenamente alcançável', diz governo

- Atualizado: 14 Janeiro 2016 | 20h 29

Em documento entregue ao tribunal, a CGU e AGU argumentam que não cabe à corte de contas, mas somente à Justiça, autorizar que se descumpra a Medida Provisória 703, pela qual o Planalto alterou a legislação sobre os acordos

Atualizada às 20h29

BRASÍLIA - O governo federal informou nesta quinta-feira, 14, ser “plenamente alcançável” um entendimento com o Tribunal de Contas da União (TCU) sobre as regras de acordos de leniência a serem firmados com empresas envolvidas em casos de corrupção, entre elas as empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato. Num documento entregue ao tribunal, a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU) argumentaram que não cabe à corte de contas, mas somente à Justiça, autorizar que se descumpra a Medida Provisória 703, pela qual o Palácio do Planalto alterou a legislação sobre os acordos.

Enviada ao Congresso em dezembro, a MP incluiu na Lei Anticorrupção, de 2013, artigos sobre os acordos de leniência que são de interesse de construtoras acusadas de integrar o cartel que desviava recursos da Petrobrás e de outros órgãos públicos. Os acordos permitem que empresas envolvidas em corrupção evitem punições como a proibição de participar de licitações e de contratar com a administração pública. Em troca, devem restituir danos ao erário e colaborar com as investigações.

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, no julgamento de contas de Dilma

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, no julgamento de contas de Dilma

A nova MP permite que as empresas não admitam participação em ilícitos para fechar as negociações. Além disso, abre caminho para entendimento não só com a primeira a manifestar interesse em acordo, mas também outras eventuais interessadas.  Há ainda a possibilidade de que as envolvidas se livrem de ações por improbidade e outros tipos de processo na Justiça, fora multas aplicadas por órgãos que não participaram das tratativas. 

As explicações enviadas ao TCU são uma resposta a questionamentos do Ministério Público de Contas (MPC), que atua junto à corte. O procurador Júlio Marcelo Oliveira pediu medida cautelar contra a MP, argumentando que ela ofende prerrogativas constitucionais  e normas internas da corte.

Um dos pontos mais polêmicos é que, no ano passado, o TCU aprovou instrução normativa prevendo que todas as fases dos acordos de leniência sejam submetidas à sua análise prévia. A MP 703, contudo, diz que eles só serão encaminhados à corte após sua celebração entre governo e empresas.

Ministros do TCU, ouvidos reservadamente pelo Estado, reclamam de descumprimento à norma. Na semana que vem, eles se reúnem para discutir como reagir à questão. O temor do governo é que a corte adote alguma medida que trave o andamento dos acordos. Atualmente, há 11 em negociação com empreiteiras como UTC e Schahin. Outro temor é que a corte retalie o governo ao julgar a responsabilidade de autoridades que respondem por irregularidades nas chamadas pedaladas fiscais de 2014.

O ministro-chefe da AGU, Luís Inácio Adams, disse nesta quinta que o governo está disposto a fazer “ajustes” na MP para torná-la “mais clara”. Eventuais alterações, segundo ele, terão de ser incluídas no projeto para converter a medida do governo em lei. “Qual (ajuste), não sei qual é. Terá de ser discutido com o TCU”, afirmou.

Brecha. No documento enviado ao tribunal, o governo justifica que a Lei Anticorrupção não tratava da participação do TCU nos acordos. Com a MP, sustenta, passou a existir o trecho que prevê o encaminhamento dos acordos. 

No documento entregue ao TCU, o governo alega que a própria norma do tribunal tem brecha que permite a análise de todas as fases de um acordo de forma conjunta, após a celebração, a critério do ministro relator do processo. Por esse motivo, a MP não representaria afronta. “Sobre a compatibilização entre as normas internas do TCU e a Lei Anticorrupção alterada pela Medida Provisória, tanto a AGU quanto a CGU entendem ser plenamente alcançável”, diz nota divulgada nesta quinta pela AGU e a CGU.

O documento diz também que as MPs têm status de leis ordinárias e gozam de “presunção de constitucionalidade”. “No nosso sistema constitucional somente o Judiciário poderá se negar a cumprir ou autorizar que se descumpra uma norma editada legitimamente.” A MP também está sendo questionada pelo MP de Contas no Supremo Tribunal Federal.

A AGU e a CGU destacaram ainda que, entre os três pontos requeridos pelo Ministério Público de Contas, “dois já vinham sendo observados pelo governo. Trata-se da não vinculação do TCU ao acordo de leniência, o que garante à corte abrir processos de restituição de prejuízos independentemente; e a observância dos trabalhos de controle e fiscalização já realizados pelo tribunal. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX