Conselho de Ética adia sessão que definirá futuro de Renan

Votação do relatório que pede arquivamento do caso deve acontecer na quarta-feira

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 12h52

O presidente do Conselho de Ética, Sibá Machado (PT-AC), adiou para esta quarta-feira a sessão do órgão que poderá definir o futuro do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). Renan é alvo de processo por quebra de decoro parlamentar. Ele é acusado de ter suas despesas pessoais - como a pensão da filha que tem com a jornalista Monica Veloso - pagas pelo lobista da empreiteira Mendes Júnior, Cláudio Gontijo. A decisão de adiar a sessão, inicialmente prevista para esta terça-feira, tem dois motivos, segundo Sibá. O primeiro é que a perícia da Polícia Federal sobre a autenticidade dos documentos apresentados por Renan deverá chegar às mãos de Sibá apenas por volta do meio-dia. "O prazo para a conclusão dos peritos termina ao meio-dia. Temos de estudar os papéis apresentados", justificou. Outra razão é que confirmado o afastamento por motivo de licença do relator do Conselho, Epitácio Cafeteira (PTB-MA), Siba, que excepcionalmente assumiu a função nesta segunda-feira, terá de escolher novo representante para o posto. "Vou ver como fica isso e quem será o novo relator", afirmou. Sibá disse não saber ainda se, com a possível escolha de um novo relator, haverá mudanças no relatório já concluído por Cafeteira e que pede o arquivamento do processo contra Renan. "Tenho que estudar o regimento ainda, ver os limites pode ser que seja passível de mudança", anotou. Se isso se confirmar, admitiu Sibá, o relatório poderá sofrer novo adiamento. O presidente do Conselho de Ética não quis emitir comentários sobre os depoimentos colhidos nesta segunda-feira. Foram ouvidos o advogado da jornalista Mônica Veloso, Pedro Calmon Filho, e o lobista amigo de Renan, Cláudio Gontijo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.