ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Congresso recebe parecer do TCU que reprovou contas de Dilma em 2014

Tribunal de Contas da União entrega oficialmente ao Legislativo parecer que rejeitou balanço por irregularidades como as pedaladas

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2015 | 12h27

Brasília - O parecer do Tribunal de Contas da União (TCU) que recomendou ao Congresso a reprovação das contas do governo da presidente Dilma Rousseff no ano de 2014 chegou ao Senado. Em ofício, o presidente do TCU, ministro Aroldo Cedraz, encaminhou ao presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o encaminhamento do relatório, de sua síntese e do voto elaborado pelo relator do processo, ministro Augusto Nardes, bem como do parecer aprovado na quarta-feira, 7, pelo plenário.

O documento, recebido pelo secretário-geral da Mesa Diretora do Senado, Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho, foi protocolado às 10h46. A Secretaria-Geral da Mesa do Senado é quem auxilia o presidente do Congresso na organização dos trabalhos legislativos.

A partir da comunicação, Renan deve remeter o caso para a Comissão Mista de Orçamento (CMO), a quem compete, inicialmente, fazer a apreciação do documento. A presidente da CMO, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), decidirá quem será o relator do processo no colegiado.

A comissão mista terá até 77 dias corridos para analisar o processo. Após votação no colegiado, ele será apreciado pelo plenário do Congresso.

Broadcast Político mostrou que, numa movimentação que é acompanhada de perto pela presidente Dilma Rousseff, a cúpula do PMDB do Senado começou a articular nos bastidores uma operação para jogar para 2016 o julgamento das contas do governo da petista pelo Congresso.

O argumento de senadores peemedebistas é usar o limite dos prazos regimentais para analisar o parecer do TCU que recomendou a reprovação das contas de Dilma do ano passado. A intenção é tentar esfriar o ímpeto da oposição de levar adiante o impeachment da presidente com base na decisão do tribunal.

Mais conteúdo sobre:
TCU Congresso pedaladas fiscais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.