1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Confiante, Picciani diz que terá maioria para se manter na liderança do PMDB

- Atualizado: 12 Janeiro 2016 | 18h 45

Após reunir-se com possíveis adversários na disputa pelo posto, deputado afirma que 'está construindo maioria absoluta com folga'

BRASÍLIA - Atual líder da bancada do PMDB e favorito do Palácio do Planalto, o deputado Leonardo Picciani (RJ) minimizou nesta terça-feira, 12, a possibilidade de três disputarem o cargo e disse que "está construindo maioria absoluta com folga" para vencer o pleito, seja contra Newton Cardoso Júnior (MG) ou Leonardo Quintão (MG). "Não tem conta ainda, mas avalio que estou bem" afirmou. "Terei mais do que tive no retorno para a liderança", emendou o deputado fluminense.

Picciani se reuniu hoje com Quintão e Cardoso, os quais apresentaram uma lista de sugestões para o rito do processo de escolha do líder em 2016. Um dos pontos rechaçados por Picciani é o que exige dois terços da bancada para reconduzi-lo à função. "Para ser líder é preciso ter a vontade da maioria", argumentou. Ele, no entanto, acredita que será possível estabelecer um rito até fevereiro, quando ocorrerá a eleição.

PICCIANI1 BSB DF 12 01 2016 POLÍTICA NACIONAL LEONARDO PICCIANI| CÂMARA O líder do PMDB na câmara, Leonardo Picciani conversa com jornalistas ao chegar ao Congresso Nacional. FOTO: DIDA SAMPAIO|ESTADAO
PICCIANI1 BSB DF 12 01 2016 POLÍTICA NACIONAL LEONARDO PICCIANI| CÂMARA O líder do PMDB na câmara, Leonardo Picciani conversa com jornalistas ao chegar ao Congresso Nacional. FOTO: DIDA SAMPAIO|ESTADAO

Ainda não há consenso no PMDB mineiro sobre a candidatura do grupo. Quintão avisou que não abrirá mão de disputar o cargo e Cardoso diz considerar Quintão como "candidato avulso", já que os mineiros não bateram martelo sobre seu candidato. O diretório estadual de Minas se reunirá na próxima segunda-feira em Belo Horizonte para definir o imbróglio.

Impeachment. Picciani destacou que hoje, o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff - apesar de ainda tensionar politicamente o ambiente - deixou de ser ponto crucial na disputa interna na bancada e está atualmente em segundo plano. Na avaliação de Picciani, o rito estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e a falta de adesão da população arrefeceram o tema. "O impeachment não tem mais o peso que tinha naquele momento", concluiu.

O deputado fluminense desconversou sobre a possibilidade de o PMDB do Senado lançar candidato para presidência do partido, insistiu que há um esforço entre os peemedebistas em busca de consenso, mas reconheceu que a disputa na bancada da Câmara pode causar reflexos na escolha da direção da sigla. "Se nós tivermos a possibilidade da construção de um caminho de consenso dentro da bancada, esse é um indicativo que teremos um caminho de convergência também para a convenção de março. Se tivermos uma disputa muito acirrada, me parece que esse também será um indicativo de que em março teremos uma disputa muito acirrada", previu.

O atual líder repetiu que não há oferta por parte do Palácio do Planalto para que o PMDB de Minas Gerais indique um de seus quadros para a Secretaria de Aviação Civil. "Não há uma negociação", declarou.

Se for reconduzido à liderança, Picciani disse que vai discutir na bancada todos os temas do ajuste fiscal em pauta no Congresso Nacional e ressaltou que é importante votar "o mais rápido possível" as propostas, entre elas o retorno da CPMF.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX