Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Confiante, Picciani diz que terá maioria para se manter na liderança do PMDB

Política

 

Política

PMDB

Confiante, Picciani diz que terá maioria para se manter na liderança do PMDB

Após reunir-se com possíveis adversários na disputa pelo posto, deputado afirma que 'está construindo maioria absoluta com folga'

0

Daiene Cardoso e Igor Gadelha,
O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2016 | 18h45

BRASÍLIA - Atual líder da bancada do PMDB e favorito do Palácio do Planalto, o deputado Leonardo Picciani (RJ) minimizou nesta terça-feira, 12, a possibilidade de três disputarem o cargo e disse que "está construindo maioria absoluta com folga" para vencer o pleito, seja contra Newton Cardoso Júnior (MG) ou Leonardo Quintão (MG). "Não tem conta ainda, mas avalio que estou bem" afirmou. "Terei mais do que tive no retorno para a liderança", emendou o deputado fluminense.

Picciani se reuniu hoje com Quintão e Cardoso, os quais apresentaram uma lista de sugestões para o rito do processo de escolha do líder em 2016. Um dos pontos rechaçados por Picciani é o que exige dois terços da bancada para reconduzi-lo à função. "Para ser líder é preciso ter a vontade da maioria", argumentou. Ele, no entanto, acredita que será possível estabelecer um rito até fevereiro, quando ocorrerá a eleição.

Ainda não há consenso no PMDB mineiro sobre a candidatura do grupo. Quintão avisou que não abrirá mão de disputar o cargo e Cardoso diz considerar Quintão como "candidato avulso", já que os mineiros não bateram martelo sobre seu candidato. O diretório estadual de Minas se reunirá na próxima segunda-feira em Belo Horizonte para definir o imbróglio.

Impeachment. Picciani destacou que hoje, o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff - apesar de ainda tensionar politicamente o ambiente - deixou de ser ponto crucial na disputa interna na bancada e está atualmente em segundo plano. Na avaliação de Picciani, o rito estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e a falta de adesão da população arrefeceram o tema. "O impeachment não tem mais o peso que tinha naquele momento", concluiu.

O deputado fluminense desconversou sobre a possibilidade de o PMDB do Senado lançar candidato para presidência do partido, insistiu que há um esforço entre os peemedebistas em busca de consenso, mas reconheceu que a disputa na bancada da Câmara pode causar reflexos na escolha da direção da sigla. "Se nós tivermos a possibilidade da construção de um caminho de consenso dentro da bancada, esse é um indicativo que teremos um caminho de convergência também para a convenção de março. Se tivermos uma disputa muito acirrada, me parece que esse também será um indicativo de que em março teremos uma disputa muito acirrada", previu.

O atual líder repetiu que não há oferta por parte do Palácio do Planalto para que o PMDB de Minas Gerais indique um de seus quadros para a Secretaria de Aviação Civil. "Não há uma negociação", declarou.

Se for reconduzido à liderança, Picciani disse que vai discutir na bancada todos os temas do ajuste fiscal em pauta no Congresso Nacional e ressaltou que é importante votar "o mais rápido possível" as propostas, entre elas o retorno da CPMF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.