EFE/João Relvas
EFE/João Relvas

'Condolências reforçam ligação entre Brasil e Portugal', diz Temer em velório de ex-presidente

Presidente viajou a Lisboa para participar do velório do ex-presidente português Mário Soares

Camilla Ginesi, especial para o Estado, e Daniel Weterman , O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2017 | 10h05

SÃO PAULO - O presidente Michel Temer (PMDB) afirmou nesta terça-feira, 10, que se encontrou em Lisboa com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, em Lisboa, para reforçar a ligação entre os dois países. Temer viajou para o funeral do ex-presidente português Mário Soares.

"Ao trazer as condolências, esse nosso gesto visa reforçar a ligação entre Brasil e Portugal enaltecida ao longo do tempo pela figura exponencial, mais do que portuguesa, mas internacional do grande português Mário Soares", disse Temer, após o encontro de cerca de 20 minutos.

Temer destacou que Mário Soares fez "as mais grandes amizades" no Brasil, destacando a relação com o ex-presidente José Sarney, que integra a comitiva brasileira em Portugal. O presidente brasileiro transmitiu as condolências do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, outro amigo de Soares, que não está em Portugal. Temer também reforçou que as condolências "não são só do governo brasileiro, mas de todo o povo do Brasil".

Importante figura da democracia em Portugal, Mário Soares foi fundador do Partido Socialista, combateu a ditadura e participou ativamente do processo de transição política no país. Foi primeiro-ministro em três ocasiões e presidente de Portugal de 1986 a 1996. Ele ficou conhecido em Portugal como o "pai da democracia".

Encontro. Temer (PMDB) foi recebido às 9 horas (horário de Brasília) pelo presidente para uma audiência fechada. O encontro começou antes do previsto. Na agenda de Temer e de Sousa, o encontro estava agendado para as 11h30 no horário local (9h30 no horário de Brasília). Também participou da reunião o ex-presidente José Sarney, segundo a RTP.

Funeral. Outros chefes de Estado que participaram do funeral foram o rei da Espanha, Filipe VI, e o presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz. Ao discursar, o presidente de Portugal disse que Soares era um "singular humanista e construtor de portugalidade" e "um homem que fez história".

O presidente da Assembleia da República (órgão legislativo do Estado português), Ferro Rodrigues, também discursou, antes de Rebelo de Sousa. Segundo ele, Soares, além de ter sido militante do Partido Socialista, também foi militante da democracia portuguesa.

Era esperada no evento a presença do ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Gilmar Mendes, que embarcou para Portugal no avião presidencial. Entretanto, ele não compareceu a nenhum dos compromissos oficiais. Outro membro da comitiva foi o embaixador Fernando Simas Magalhães, que esteve presente na cerimônia fúnebre.

No final da homenagem, o ex-presidente José Sarney cumprimentou a filha do líder socialista Mário Soares, Isabel Soares. Houve aplausos. Em seguida, o caixão foi transportado para funeral no Cemitério dos Prazeres, também em Lisboa, num caminho que passou por lugares importantes na história do político. 

Protesto. Na entrada do Palácio de Belém, sede do governo português, um grupo de brasileiros que vive em Portugal protestava contra o presidente Temer, informou a TV estatal local RTP, que não deu detalhes sobre o número de manifestantes.

Mais conteúdo sobre:
Mario Soares Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.