1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Comissão da Verdade busca corpos de guerrilheiros em GO

MARÍLIA ASSUNÇÃO - Agência Estado

28 Fevereiro 2014 | 17h 57

Peritos escalados pela Comissão Nacional da Verdade (CNV) concluíram nesta sexta-feira, 28, a primeira parte das escavações para elucidar dois assassinatos emblemáticos ocorridos durante a Ditadura Militar, de Márcio Beck Machado e Maria Augusta Thomaz. Ainda não foram encontrados vestígios novos, mas a próxima etapa dos peritos e um levantamento aéreo para indicar o local das covas. O Estado apurou que a meta da CNV agora é também deslanchar investigações sobre oito desaparecidos políticos que tiveram foco em Goiânia, "envolvendo ações da segurança pública estadual e da Polícia Federal durante a ditadura", informou Daniel Lerner, gerente de projeto da CNV.

Os peritos usaram um radar de solo e fizeram o escaneamento de uma área de cerca de quatro metros quadrados onde escavaram até dois metros de profundidade. Segundo Lerner, a busca por novos vestígios continuará em uma extensão de 100 metros quadrados prevista em um croqui da área confeccionado em 1980 e a partir dos vários testemunhos sobre o caso. "Documentos inéditos também estão contribuindo", afirmou Lerner, sem detalhar quais são. Iniciadas na quarta-feira, 26, as buscas em Rio Verde têm o objetivo de localizar restos mortais ou objetos pessoais de Márcio e Maria Augusta, estudantes guerrilheiros que militavam no Movimento de Libertação Popular (Molipo) e que foram metralhados em 1973, em Rio Verde. Eles viviam clandestinamente, disfarçados com os nomes de Neusa e Raimundo, em uma fazenda chamada Rio Doce, palco das buscas. Os corpos nunca foram encontrados.

Além dos testemunhos e documentos, já houve coleta de botões, fragmentos de ossos e dentes em uma cova clandestina, atribuídos às vítimas, além de cápsulas de balas. Esses vestígios foram encontrados depois que foi descoberta a realização de uma "operação limpeza", feita por agentes federais em 1980. Eles teriam removido os corpos logo depois que equipes de um jornal e familiares das vítimas estiveram na fazenda fazendo buscas por conta própria. Mas a pressa em ocultar novamente os restos mortais deixou para trás os vestígios. O livro "As Quatro Mortes de Maria Augusta Thomas", do jornalista Renato Dias, nas páginas 182 e 183 republica fotos do acervo do jornal Diário da Manhã, que mostram restos mortais (dentes) e botões de roupas provavelmente do casal, recolhidos na fazenda.

Os corpos de Márcio e Maria Augusta foram vistos por moradores da fazenda no dia 17 de maio de 1973, após rajadas de metralhadoras terem atingido o barraco onde viviam, por volta das 3 horas da madrugada, conforme os relatos que existem nos autos do inquérito do Ministério Público Federal (MPF), que também participa das buscas, junto com a Polícia Federal.

Quem eram.

Maria Augusta Thomaz e Márcio Beck pertenciam ao chamado Grupo dos 28, formado por jovens integrantes da Aliança Libertadora Nacional (ALN) e do Movimento de Libertação Popular (Molipo), envolvido em ações armadas audaciosas. A mais notória foi o sequestro de um Boeing 707 da Varig em Buenos Aires que foi desviado para o Chile e depois voou para Cuba em 1969. Eram ligados ao guerrilheiro Carlos Marighela, assassinado em 1963. Os dois estudaram táticas de guerrilha em Cuba e retornaram em 1971 para o Brasil, vivendo clandestinamente.

Crime permanente.

Para o MPF, desde o sumiço dos restos mortais das vítimas o crime se tornou permanente, razão pela qual os procuradores da República que atuam no caso afastam a hipótese de prescrição e insistem na inaplicabilidade da Lei da Anistia. Eles sustentam que, se os corpos nunca foram encontrados, o crime de ocultação permanece, então, o prazo para a prescrição nem começou a contar, o que valeria também para suspeitos de participação nas mortes e ocultação de cadáver, mesmo se tiverem mais de 70 anos de idade.